Foto por Sophie07 | Pixabay

Inverno seco da minha carne
Contos de fadas e verões
A esperança é velha sábia
Mas o romântico cético
Pode só sonhar
Vinhos quentes como sangue
Escorrem pela mesma garganta
Que o vômito
Mãos que abraçam e beijam
São as mesmas que acenam de longe
O amor é jovem travesso
Que quebra as pernas e corre
Todo mês
Inverno seco da minha carne
Ardo no inferno das suas rejeições
E meu corpo definha de desejo
No canto das minhas temerosas
Ambições
O mundo gira devagar quase parando
E quando se vê foram meses
Num borrão
O mundo faz-se em infinitos quilômetros
Mas os amantes e os problemas
Tendem a esbarrar em cada esquina
Antes era fácil
Antes eu era sozinha
Os solitários têm paz triste, mas sincera
O presente é psicodélico
E insuportável
O inverno seco da minha alma
A não solidão de meu mundo selvagem
Os amantes, os amigos e os problemas
Tudo soa como fadas e verões
Mas o romântico cético pode só sonhar
E sofrer

Outros artigos deste autor >

Ana Haeitmann, 20 anos, é estudante de Português da UC (Universidade de Coimbra). Natural de São Paulo, Brasil, mudou-se para Coimbra há dois anos. Escreve poemas e narrativas, com o jornalismo como amante.

Outros artigos deste autor >

O renascer da arte a brotar do Interior e a florescer sem limites ou fronteiras. Contos, histórias, narrativa e muita poesia.

Deixe o seu comentário

Skip to content