Ô, meu leãozinho!

Me fitando com seus olhos tão puros

No silêncio da noite fria, ela me perguntou:

-Por que a tristeza tem que existir?

Ao que eu respondi:

-Ó meu amor, sem a tristeza não tínhamos samba!

Sem a tristeza não tínhamos poesia!

Não tínhamos Van Gogh!

Não tínhamos Caetano!

Não tínhamos as lágrimas

tão bonitas e puras como você!

Sem a tristeza não tínhamos arte

Pois enquanto você ignora a tristeza

Com a sua visão positiva do mundo

Eu faço arte da minha angústia

Essa é a diferença

Entre quem transforma a dor em arte

E quem transforma a dor em vida

Como você, meu leãozinho!

Ana Haeitmann tem 22 anos e é mestranda em literatura na Universidade Nova de Lisboa. Natural de São Paulo, Brasil, vive em Portugal há quatro anos. Escreve poemas, narrativas e artigos jornalísticos.

O renascer da arte a brotar do Interior e a florescer sem limites ou fronteiras. Contos, histórias, narrativa e muita poesia.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts
Ler Mais

Pensar Marx depois de Marx

Foto por Pierre Wolfer no FlickrA influência de Karl Marx no pensamento que o século XX produziu é…
Skip to content