Colheita

Colheita – Ceifeiras (Lumiar) de Silva Porto
Lançam-se as sementes,
Regam-se,
Crescem. Plantas e outras coisas.
Colhem-se.

Este é o ciclo.
O ritmo das terras e das gentes.
O compasso dos pensamentos e das acções.
A cadência da vida,
O circular vigoroso de seiva, sangue e ideias.

Cada semente atirada à sorte do tempo
Leva com ela a esperança e a certeza
De que amanhã vai brotar
Gerar frutos e alimento
Imiscuir-se pelas fruteiras das casas das gentes.

A esperança que se tem, a certeza que se tem:
A de um mundo mais para todos
A de uma fotografia sem estrangeiros
A de um fruto que a toda a gente mata a fome.

E frutos e sementes podem ser muita coisa.
Tu que lês entendes como quiseres.
Como quem escreveu jogou as palavras como quis
E entendeu que era como tu, gente como tu,
E que estas palavras são só tuas.

Outros artigos deste autor >

Ativista. Formada em Antropologia. Deputada na Assembleia Municipal de Viseu pelo Bloco de Esquerda.

Outros artigos deste autor >

O renascer da arte a brotar do Interior e a florescer sem limites ou fronteiras. Contos, histórias, narrativa e muita poesia.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts
lua-flor
Ler Mais

Brilho lunar

Não me importam os carros de marca importada A andarem pelas estradas e auto-estradas. Só me importa o…
Ramal da Alfândega - Porto
Ler Mais

Pavio de Pele

Foto por Pedro GranadeiroTua pele transpira amor, teus poros absorvem carícias Nas delícias entre os carris chegamos ao…
Skip to content