A situação foi detetada por moradores da Rua Nuno Álvares Pereira, ao aperceberem-se, no dia 20, que uma carrinha da Câmara Municipal de Viseu entregava jaulas para gatos, identificadas com a sigla CMV, numa moradia da rua. As jaulas foram colocadas no jardim dessa casa e já capturaram vários animais. Segundo relatos dos moradores, os donos transferem os gatos apanhados para uma outra jaula em que permaneceram durante três dias aos “trambolhões”.

Os gatos são apanhados de forma indiscriminada, havendo casos de gatos com donos que desapareceram do bairro, e que se suspeita que terão sido recolhidos por estes funcionários da Câmara. Segundo as poucas informações que os residentes conseguem, serão depois levados para o Cantinho dos Animais sofrendo fim incerto. A população já se deslocou ao Cantinho dos Animais e já contactou a PSP, sem obter respostas. Existirão cerca de 60 pontos de captura de gatos como este na cidade de Viseu, segundo informação prestada pela Câmara a uma moradora.

A situação despoletou a revolta da população, que entrou em contacto com partidos e associações sensíveis à causa animal. Também foi afixada uma informação e partilhada nas redes sociais que denuncia o sucedido, recebendo centenas de reações.

Uma moradora que detetou o sucedido conta como se foi apercebendo do aparecimento de gatos mortos aquando das obras de requalificação da moradia em questão. Em declarações prestadas ao Interior do Avesso, confessou-se revoltada com toda a situação de maus tratos e pelo facto de a Câmara de Viseu estar envolvida: “Abomino totalmente os meios utilizados e que seja a Câmara que esteja metida nisto. Se há dinheiro a gastar, então que gastem numa estrutura padrão para tratar, para tomar conta, para zelar pelos interesses e pela sanidade dos animais de Viseu. Acho que é importantíssimo que isso seja feito, porque assim é a vontade de todos e não é a vontade de ninguém. Só sei que no dia em que falei com a polícia só batia em paredes, há uma lei que diz que isto é crime, ter um gato ali três dias fechado é crime. Os gatos que foram mortos é crime. Porque é que aqui não é tratado como tal, tem um trato diferente? É isso que não estou a entender e é isso que tem que ser muito bem explorado. Falta qualquer peça neste puzzle que não está a encaixar.”

Num bairro em que se vêem vários gatos nas casas e várias pessoas a passear cães, o sentimento de revolta é partilhado por aqueles com quem o Interior do Avesso conversou, como resume um dos testemunhos “há aqui pessoas que têm animais, estão revoltadas, está tudo revoltado. É um caos!”. Além do modo como os gatos são capturados e mantidos em sofrimento até que sejam recolhidos pela câmara, preocupa os moradores a incerteza quanto ao destino dos animais, que permanece uma incógnita.

Bloco de Esquerda denuncia e questiona Câmara Municipal

Em declarações ao Interior do Avesso, elementos do Grupo de Trabalho pela Defesa dos Animais do Bloco de Esquerda do Distrito de Viseu que se encontravam no local, disseram que iriam questionar a Câmara de Viseu sobre o porquê de as jaulas se encontrarem especificamente naquela moradia, não havendo qualquer sinal de que houvesse um problema para a zona, onde se encontram os outros locais de captura de animais relatados, qual o destino dos animais depois de recolhidos pelos funcionários da Câmara Municipal. Também questionará sobre a existência de programas de “captura, esterilização e devolução de animais errantes”, que programas de vacinação existem e quantas colónias de animais tem sinalizadas. O Bloco irá ainda requerer os dados registados destas capturas (quantos são esterilizados, quantos são chipados, quantos são devolvidos a eventuais donos, quantos são adaptados).

Deixe o seu comentário

Skip to content