Foto de Lau Lau Chan | Flickr

Assinala-se hoje, dia 25 de novembro, o Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra as Mulheres. Em Viseu, a Plataforma Já Marchavas organiza uma vigília em homenagem a todas as vítimas.

Nos últimos 15 anos, foram assassinadas em Portugal 500 mulheres em contexto de violência doméstica. “No ano passado, registámos 28 mortes em contexto de violência de género. Este ano, foram registadas 28 mortes por violência doméstica e 30 por violência de género. Os números não estão a melhorar de todo”, afirma Bárbara Xavier, ativista da Já Marchavas.

A ação convocada pela Plataforma Já Marchavas para a cidade de Viseu justifica-se por “ser uma cidade que continua a desconsiderar a violência de género. É importante continuar a lutar por estas questões, porque continuam a verificar-se situações”, afirmou Bárbara Xavier, relembrando o acordão do Tribunal de Viseu que absolveu um arguido de dois crimes de violência doméstica, um crime de perturbação da vida privada e um crime de injúrias, chegando o juiz-presidente, Carlos Oliveira, a afirmar que “não pode conceder-se maior relevo às declarações das vítimas em detrimento das do arguido” e sustentando a decisão com base no argumento de não ser crível que uma mulher moderna e autónoma se sujeite a uma relação violenta.

No Relatório Anual de Segurança Interna relativo a 2018 o crime de violência doméstica no distrito de Viseu é o crime com maior número de participações, 708 no total, com um aumento de 2,9% relativamente ao ano anterior.

A iniciativa tem início às 17h30, na Rua Dom António Alves Martins, junto à PSP.

Os dados são alarmantes a nível regional e nacional, pelo que o assinalar desta data se estende a várias localidades do país:

AVEIRO | 18h30, Praça Joaquim Melo de Freitas
BRAGA | 18h30, Avenida Central
COIMBRA | 16h30, Praça 8 de Maio
LISBOA | 17h30, Largo do Intendente
PORTO | 18h00, Praça da Cordoaria
VIANA DO CASTELO | 17h30, Praça da República
VILA REAL | 22h, Club de Vila Real

Deixe o seu comentário

Skip to content