A decisão do Governo de que não haverão festivais de música pelo menos até 30 de setembro e as dúvidas sobre o que ocorrerá a partir dessa data, levaram ao cancelamento e adiamento de festivais para o próximo ano por todo o país. Os festivais dos distritos do interior não foram exceção.

O Festival Intercéltico de Sendim atrai todos os anos milhares de amantes de música folk à vila do Concelho de Miranda do Douro para assistir a atuações de artistas de vários países. A 21.º edição, que ocorreria de 30 de julho a 1 de agosto, foi cancelada. O festival regressa em 2021 . 

Desde 2001 o Quintanilha Rock tem ocorrido de forma ininterrupta, na aldeia fronteiriça do concelho de Bragança. A edição de 2020, prevista de 3 a 5 de julho, não irá ser realizada. O festival, que se define como “uma visão contemporânea de encontro entre arte, comunidade e o mundo rural”, regressa em 2021, para o seus 21 anos. A organização pretende “que o Quintanilha Rock 2021 seja mais do que um evento efémero de música alternativa ao propor uma abordagem disruptiva que se traduz num processo coletivo de descoberta de novas possibilidades artísticas e criativas”.

Na impossibilidade de ocorrerem nas datas previstas para 2020 (de 3 a 11 de julho) os Jardins Efémeros poderão ter edição dupla (16 dias em vez de 8) em 2021. O festival multidisciplinar, “que convoca a ideia de cidade através de práticas artísticas, científicas e culturais” regressava este ano após não se ter realizado em 2019.

O festival Boom, em Idanha-a-Nova, foi reagendado para junho do próximo ano, de 22 a 29.

Deixe o seu comentário

Skip to content