Atendendo à atual crise económica e social, a Plataforma p’la Reposição das Scuts A23 e A25 apela ao Governo a suspensão das portagens nas ex-scuts. A posição surge após declarações à comunicação social de Ana Abrunhosa (Ministra da Coesão Territorial), em que a mesma assume o adiamento dos descontos nas portagens devido à pandemia.

Em comunicado, a Plataforma refere que “perante o atual cenário, a Plataforma, mantendo a posição de princípio de que as portagens devem ser abolidas, apela ao Governo por medidas extraordinárias, que cheguem rapidamente às empresas e trabalhadores para garantir a sobrevivência da economia regional”.

Foi ainda enviado um ofício à ministra da Coesão Territorial, na qual manifestam o descontentamento perante a decisão de adiamento dos descontos nas portagens das antigas Scut, considerando-a “contraproducente do ponto de vista económico, financeiro e social”. Referem ainda o facto de o Interior “dada a sua situação de fragilidade” estar a sentir de forma “mais intensa e dura as consequências da pandemia” no seu tecido económico e social “absolutamente devastadoras para a tão desejada coesão económica e social.”.

Para a Plataforma o cenário atual não deve servir para adiar a tendência de abolição das portagens, pelo contrário, apela a “medidas extraordinárias” que contribuam para a sobrevivência da economia da região, amenizando os impactos da pandemia nas empresas e na vida das pessoas, bem como permitindo o estímulo do turismo interno.

Escrito por CG

Deixe o seu comentário

Skip to content