‘mercado das letras’
[aos pescadores da palavra]

entrei pelo mar adentro
lancei isco à poesia.

e nas marés
de ditongos
deixei-me pescar
pela rima.

foi naquela madrugada,
já de sílabas escamado
que eu profundo
mergulhei,
nos vocábulos
de um pescado.

e é assim abalroado
escrito na essência das lotas,
seja dia ou seja noite
que remo por todas as rotas.

na(s) letra(s) de uma peixeira
deixei-me encantar sem tretas
numa canastra de textos
lá no mercado das letras.

 

‘camarim do silêncio’

remeti-me à serenidade
do meu lugar.
voltei para dentro de mim.
vi reflectido no espelho
desta vez fiquei-me
pela ténue luz
o silêncio do escuro.
do meu interior.
quase adormecido.
sinto que entrarei
melhor no palco.
espero.
paciente.
pelo pautado
alarme de Molière.

quando o 3º toque chegar,
darei ordem ao camarim.
então o meu pequeno quarto,
entrará em cena.

e aí, as portas do teatro,
vão abrir,
só para
mim.

 

Ilustrações

Nasce em Lamego [Alto Douro] 1963, actualmente vive no Porto.
Frequentou o Curso Complementar de Artes e Técnicas Gráficas na Escola de Artes Decorativas Soares dos Reis no Porto; Frequentou o Curso de Design de Comunicação na Escola Superior de Belas Artes do Porto (actual FBAUP); Foi professor da disciplina de EV e Desenho do Ensino Básico; Actualmente é Monitor e Animador de Artes Criativas e Ilustração em várias instituições, espaços culturais públicos e privados (Museus, Bibliotecas Municipais, EB's 1 e 2, Estabelecimentos Prisionais); Colaboração e participação em várias publicações de Design Gráfico e de Comunicação. Participação regular em várias exposições individuais e colectivas.
Ilustrador e Escritor desde sempre ‘à deriva’...

Outros artigos deste autor >

O renascer da arte a brotar do Interior e a florescer sem limites ou fronteiras. Contos, histórias, narrativa e muita poesia.

Deixe o seu comentário

Skip to content