fenda

peguei no medo e escrevi: amanhã

peguei no medo
e escrevi:
amanhã

com a mesma mão
esquerda
firme

com que ontem
risquei
liberdade

quando
a história se dissolve
e o futuro é mercúrio

agarro na dúvida
e dou certeza

agarro no ódio
e dou braços

agarro na revolta
e procuro mãos

O renascer da arte a brotar do Interior e a florescer sem limites ou fronteiras. Contos, histórias, narrativa e muita poesia.

Ativista. Formada em Antropologia. Deputada na Assembleia Municipal de Viseu pelo Bloco de Esquerda.

Related Posts
Ler Mais

Do alto da minha aldeia

Foto por Vitor OliveiraDo alto da minha aldeia, vejo o céu a brilhar, não vejo rio nem vejo…
Skip to content