Podes cair sete vezes mas levantas-te oito

Poema de Shenhua sobre Mariana Mortágua
Interior do Avesso | Foto de Rita Madeira

Quando a voz é um mero sussurro

Ignorada como uma sombra no escuro

Vens com ténis nos pés e cravos na mão

O grito pelos mais frágeis – o teu brasão

 

A verdade mesmo que a voz trema

Contra o muro, tantas vezes intransponível

Não desistes, não cedes – lutas contra o inconcebível

Igualdade, liberdade, justiça – o teu lema

 

Quando a voz perde a esperança

Lá estarás, com a tua irreverência

Num momento incerto

Tempos de desconcerto

 

Com o teu olhar afoito

Perante a adversidade

Com as suas calúnias e falsidade

Podes cair sete vezes mas levantas-te oito

O renascer da arte a brotar do Interior e a florescer sem limites ou fronteiras. Contos, histórias, narrativa e muita poesia.

Elisabete Frade/Shenhua

Nasceu em Évora em 1981 e desde então passou por Arraiolos, Mem-Martins, Coimbra, Lisboa e Viseu.

Tirou um curso profissional de Turismo, um curso de Inglês para Empresas e uma Licenciatura em Relações Internacionais, especializando-se em Estudos Europeus, estagiando na Câmara do Comércio da Itália.

Morou quase uma década na Holanda, trabalhando numa empresa internacional organizadora de conferências para empresas e, mais tarde, na área da tradução para empresas internacionais e privados, tendo ido viver para a Escócia.

Regressou a Portugal e desde então é a cuidadora informal da sua mãe idosa.

Related Posts
Ler Mais

Da Varanda

Passaste seca em cima do atrelado dum trator Sem as maias implantaste a dor naquele caminho onde havia…
Skip to content