Fico entre os meandros das coisas
Sem me perder.
Esfrego os olhos e sacudo a alma para ver.

Ainda sei para onde vou,
Ainda sei porque estou.
E, esta noite sonhei com leitos de rios
Secos e vazios,
peixes mortos nas margens…

Ainda sei para onde vou.
(Se não vens, não sei que te prende.)

E aqui, nada ainda é suficiente,
às vezes falta a força do sentir,
falta o tempo para ouvir…
E tanto ainda que não se aprende!
E, às vezes, ainda é preciso
ser-se canivete suíço
fazer o pino sempre com um sorriso.

A urgência das coisas precipita-se
sem nos dar descanso
o tempo avança
e nós precisamos da serenidade e da perseverança
da celeridade e da alegria de uma criança

e o tempo avança
e eu sonhei com leito do rio vazio
que não se vai-a de mim, também a água que banha a alma
que não se implante em mim apenas silêncio em forma de calma
que o lodo não me toque as veias
e que ainda me sobre áurea de tornar melhores as coisas feias.

Outros artigos deste autor >

O renascer da arte a brotar do Interior e a florescer sem limites ou fronteiras. Contos, histórias, narrativa e muita poesia.

Outros artigos deste autor >

Nasceu em Chaves no ano de 1979.
Licenciada em Ensino Biologia-Geologia pela Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, no ano de 2001. Mestre em Ciências de Educação - Especialização em Animação Sociocultural pela UTAD. Frequentou o 2.°ciclo do curso Bietápico de Licenciatura em Engenharia do Ambiente e do Território do Instituto Politécnico de Bragança.
Lecionou, como docente contratada do grupo de Biologia e Geologia, em várias escolas do país.

Deixe o seu comentário

Skip to content