Uma morte

Imagem retirada de Esquerda.net
Um silêncio…
Uma morte…
Um pequeno ruído,
Uma morte…
Uma última palavra,
A morte…
O fim,
O início,
A paz,
A ficção de que existimos,
A fricção do tempo,
A morte…

Silêncio!!
Chiuuu!
Enquanto eu começo o meu caminho
Carregando a minha mortalha,
Arrastando o meu féretro,
Até que o possa depositar
E descansar…

A vida,
Um sussurro,
Um poema,
Uma morte…

A todos os que ainda vivem!

O renascer da arte a brotar do Interior e a florescer sem limites ou fronteiras. Contos, histórias, narrativa e muita poesia.

Paulo Rodrigues, Santa Comba Dão, começou a escrever muito cedo.
Participou em várias coletâneas de poesia, prosa ou contos infantis organizadas por vária editoras como a "Orquídea Edições", "Lua de Marfim" e "Modocromia". Escreveu também por diversas vezes em edições "Sui Generis" e a prestigiada "Chiado Books".
Colaborou na organização da fanzine lançada em Santa Comba Dão, "Cabeça Falante", que inaugurou a editora recém-criada "Canhoto Esquerdino R", onde foi Assessor de Comunicação não remunerado.
É criador e administrador do blog "lagrimasdavida.blogspot.pt"

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts
Terra
Ler Mais

Nada no Todo

Tenho dez mil maneiras para te amar Mãe Terra Em dez mil maneiras de acontecimentos iremos viver aqui…
Ler Mais

Exposição “Apontar o dedo ao lobo”: o frente a frente que nos leva a (re)descobrir a espécie

O lobo-ibérico é a personagem central da exposição "Apontar o dedo ao lobo" que está patente na Casa da Cultura de Vimioso, concelho do distrito de Bragança, até o dia 22 de março de 2022 e é constituída por cerca de 25 desenhos da autoria de Agostinho Santos e do premiado escritor Valter Hugo Mãe. Inserido em diferentes contextos, o lobo-ibérico surge, nesta exposição, ligado a narrativas e enquadramentos associados à sua relação com o Homem e o seu imaginário social-simbólico.
Skip to content