Foto por Luís Ribeiro/Palombar

No âmbito do Grupo Nordeste (www.nordeste.eu), que, entre outros parceiros, integra a Palombar – Conservação da Natureza e do Património Rural, foram instaladas nos vales dos rios Sabor, Maçãs e Angueira, 150 caixas-abrigo para morcegos arborícolas. A Palombar já instalou e faz a manutenção de várias dessas estruturas.

Entre as principais ameaças que afetam este grupo de mamíferos, estão a diminuição/degradação do habitat disponível e a destruição de abrigos, nomeadamente em consequência do abate de árvores e da desflorestação, que tem sido um fator preponderante para o declínio da população de morcegos arborícolas.

Nesse sentido, a instalação de caixas-abrigo para morcegos é, atualmente, uma das soluções mais práticas, a curto prazo, para promover a sua proteção e conservação. A longo prazo, além dos abrigos, as medidas de conservação deste grupo faunístico deverão integrar também a utilização e o maneio tradicional da terra em mosaicos de pequenas parcelas agrícolas e florestais e a limitação do uso de pesticidas.

As caixas-abrigo para morcegos, similares a um abrigo natural, são fundamentais para promover a conservação de várias espécies de morcegos (nomeadamente das espécies arborícolas), que são fundamentais para os ecossistemas e um elemento-chave da agricultura biológica.

Como se alimentam de grandes quantidade de insetos, os morcegos podem ajudar no combate a diversas pragas, permitindo evitar ou reduzir o uso de inseticidas e pesticidas, em prol da agricultura sustentável e biológica. Além disso, os morcegos não fazem quaisquer danos nas culturas.

Sabia que, durante uma noite, um morcego pode ingerir mais de metade do seu peso em insetos?
Projeta os morcegos!

Publicado em Palombar a 2 de setembro de 2020.

Outros artigos deste autor >

A Palombar – Associação de Conservação da Natureza e do Património Rural é uma entidade sem fins lucrativos, criada em 2000, que tem como missão conservar a biodiversidade, os ecossistemas selvagens, florestais e agrícolas e preservar o património rural edificado, bem como as técnicas tradicionais de construção. A associação, que atua orientada por uma abordagem pedagógica e de cooperação, promove também a investigação científica nas áreas da Ecologia, Biologia da Conservação e Gestão de Ecossistemas, a educação ambiental, o desenvolvimento das comunidades e a dinamização do mundo rural.

Deixe o seu comentário

Skip to content