Palombar faz vigilância de incêndios no vale do Sabor

Torre de vigilância de incêndios em território do vale do rio Sabor. Fotografia Fábio Nogueira/Palombar
Torre de vigilância de incêndios em território do vale do rio Sabor. Fotografia Fábio Nogueira/Palombar
Torre de vigilância de incêndios em território do vale do rio Sabor | Foto por Fábio Nogueira | Palombar
As ações desenvolvidas pela Palombar – Conservação da Natureza e do Património Rural no âmbito do Nordeste – Grupo para a Promoção do Desenvolvimento Sustentável incluem uma intervenção absolutamente fundamental para a proteção das florestas, da biodiversidade, dos ecossistemas e das comunidades: a vigilância de incêndios. Vigiar para prevenir é a arma mais eficaz para combater os incêndios que, todos os anos, fustigam centenas de hectares das nossas florestas.

Nos meses de julho, agosto e setembro, uma equipa da Palombar desloca-se ao terreno para fazer a vigilância de incêndios nos territórios do vale do rio Sabor.

Os incêndios contribuem fortemente para a destruição de espécies de fauna e flora, afetando gravemente a biodiversidade, bem como para a degradação dos solos e para o processo de desertificação e seca no país, para além dos graves prejuízos sócio-económicos que gera.

Um estudo do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) publicado no dia 19 de junho alerta que, no que se refere às ações humanas, o uso de agroquímicos, o desordenamento do território e os incêndios estão a acelerar os fenómenos de seca e desertificação em Portugal.

As ações de vigilância de incêndios no território permitem detetar focos de incêndio nascentes, assegurando um combate mais rápido e eficaz, bem como comportamentos de risco e suspeitos. Têm ainda um efeito dissuasor relativamente a práticas e comportamentos desencadeadores de incêndios.

O Grupo Nordeste é constituído pela Palombar, pela AEPGA – Associação para o Estudo e Proteção do Gado Asinino e pela APFNT – Associação dos Produtores Florestais do Nordeste Transmontano.

Tem como objetivo dar vida a um modelo de intervenção que, unindo a conservação da Natureza à agricultura e à exploração florestal sustentável, promova o envolvimento das comunidades locais e dinamize o desenvolvimento integrado do espaço rural nos vales dos rios Sabor e Maçãs, que estão inseridos na Zona de Proteção Especial (ZPE) Rios Sabor e Maças.

Saiba mais sobre como prevenir incêndios florestais em www.portugalchama.pt.

 

Publicado por Palombar a 7 de agosto de 2020.

Outros artigos deste autor >

A Palombar – Associação de Conservação da Natureza e do Património Rural é uma entidade sem fins lucrativos, criada em 2000, que tem como missão conservar a biodiversidade, os ecossistemas selvagens, florestais e agrícolas e preservar o património rural edificado, bem como as técnicas tradicionais de construção. A associação, que atua orientada por uma abordagem pedagógica e de cooperação, promove também a investigação científica nas áreas da Ecologia, Biologia da Conservação e Gestão de Ecossistemas, a educação ambiental, o desenvolvimento das comunidades e a dinamização do mundo rural.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts
Mãos
Ler Mais

Calor de ti

Tuas palavras são lenha que acendem no frio em mim A chama do queimar Alecrim perfumado sem fim…
palombar-1
Ler Mais

Começou a época das sementeiras!

Estamos no outono. Terminada a época de reprodução da maioria dos animais selvagens e, após um período dedicado à melhoria dos parâmetros reprodutores das espécies visadas nos nossos projetos de conservação da biodiversidade, a Palombar - Conservação da Natureza e do Património Rural já iniciou, no âmbito do Grupo Nordeste (www.nordeste.eu), ações que visam aumentar a disponibilidade de alimento e de refúgio para espécies-presa não só de aves, como também de mamíferos, nomeadamente coelho, perdiz, pombos, corço e javali.
Skip to content