Areias

Areias
Areias

Com os olhos fechados fico à distância do infinito

Parto para o invisível sem sair do lugar.

Vou para sonhos abertos num palco invulgar

Alcançar sem pensamento aquele momento.

Apanho o que não vejo querendo-o

É vazio querer e ter é nada.

Ou é tudo que desejo ao ver o rio

Levar areias e sal para o mar.

Agora rio-me ao saber do sabor salgado do (a)mar.

Outros artigos deste autor >

Paulo Fernandes nasceu em Abraveses, Concelho de Viseu em 1969, Bacharel no Curso de Professores do Ensino Primário, pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, concluindo a Licenciatura para o 1.º Ciclo do Ensino Básico no polo de Lamego da Escola Superior de Educação de Viseu. Especializou a sua formação para Educação e Desenvolvimento em Meio Rural no Instituto de Comunidades Educativas em Setúbal.
Desenvolveu a sua atividade profissional em vários locais, incluindo São Pedro do Sul, Campia (Vouzela) e Santa Cruz da Trapa (São Pedro do Sul).
Vive nas montanhas mágicas do concelho de São Pedro do Sul, na aldeia do Candal.

Outros artigos deste autor >

O renascer da arte a brotar do Interior e a florescer sem limites ou fronteiras. Contos, histórias, narrativa e muita poesia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Related Posts
Ler Mais

Colheita

Colheita – Ceifeiras (Lumiar) de Silva PortoLançam-se as sementes, Regam-se, Crescem. Plantas e outras coisas. Colhem-se. Este é…
Trabalhador
Ler Mais

Ode ao trabalhador

Pequeno o meu olhar matinal Crescente luz, aurora boreal, Sou eu pequeno, adultos observo Caminham, o meu pai…
Skip to content