Árvore

Perante o lume espesso deixo os pés aquecerem sem excesso 

No calor das chamas da madeira com história inteira até ao aqui e agora.

Foram árvore, albergue para ninhos de passarinhos, sombra fresca nos verões 

escaldantes, testemunhas silenciosas de arrebatadoras paixões.

Oh frondoso ser vivo enraizado na terra sempre a crescer em direção à luz solar

Para oxigenar o ar planetário sem pedir nada em troca.

Oh elemento essencial para quebrar a monotonia na linha do horizonte

Num dia cinzento passado no monte com aragem fresquinha a passear pelo corpo.

Sem pensamento lógico abraço-a, beijo-lhe o tronco robusto 

Tal qual beijaria o rosto de Calisto num qualquer museu europeu.

Dadora de vida, protetora dos amantes, inspiração para poetas

Imaculada és, sedutora continuas e paixão eterna acarretas.

Amo-te-nos, árvore!

Paulo Fernandes nasceu em Abraveses, Concelho de Viseu em 1969, Bacharel no Curso de Professores do Ensino Primário, pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, concluindo a Licenciatura para o 1.º Ciclo do Ensino Básico no polo de Lamego da Escola Superior de Educação de Viseu. Especializou a sua formação para Educação e Desenvolvimento em Meio Rural no Instituto de Comunidades Educativas em Setúbal.
Desenvolveu a sua atividade profissional em vários locais, incluindo São Pedro do Sul, Campia (Vouzela) e Santa Cruz da Trapa (São Pedro do Sul).
Vive nas montanhas mágicas do concelho de São Pedro do Sul, na aldeia do Candal.

O renascer da arte a brotar do Interior e a florescer sem limites ou fronteiras. Contos, histórias, narrativa e muita poesia.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts
Pintura a óleo de um rio na floresta.
Ler Mais

Margens

Confio no rio que abre caminho entre as margens Até ao outro rio que depois se abrem no mar.
Skip to content