Foto por Claudia Peters | Pixabay

Não temo o extremo
E sem medo vivo ao Sol
Com o balanço da Mãe Terra.

Na vontade livre do ar
Imortalizo o ato de baloiçar
No mar para respirar.

Nesta oscilação da respiração
Uns vêm outros vão
Pelo alcatrão pedir no chão o perdão.

E com este vaivém
Caminhamos com os queridos amos
Que sempre amamos sem obrigatoriedade.

A vontade dá-te a liberdade
De baloiçar na Terra
Sem fera nem era.

Baloiça pela esfera
Vai e vem para o além
E deixa-te ser ninguém.

Outros artigos deste autor >

Paulo Fernandes nasceu em Abraveses, Concelho de Viseu em 1969, Bacharel no Curso de Professores do Ensino Primário, pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, concluindo a Licenciatura para o 1.º Ciclo do Ensino Básico no polo de Lamego da Escola Superior de Educação de Viseu. Especializou a sua formação para Educação e Desenvolvimento em Meio Rural no Instituto de Comunidades Educativas em Setúbal.
Desenvolveu a sua atividade profissional em vários locais, incluindo São Pedro do Sul, Campia (Vouzela) e Santa Cruz da Trapa (São Pedro do Sul).
Vive nas montanhas mágicas do concelho de São Pedro do Sul, na aldeia do Candal.

Outros artigos deste autor >

O renascer da arte a brotar do Interior e a florescer sem limites ou fronteiras. Contos, histórias, narrativa e muita poesia.

Deixe o seu comentário

Skip to content