A pé fazendo o caminho voo para o ninho

Deixo-me voar até ao lar lá sozinho.

Sinto leveza nos passos antes de chegar

E depois descansar no altar de pinheirão.

Apanho “boleia” nas asas do meu anjo

Com Gabriel a mostrar a direção

Os passos tornam-se geleia e mel para acender as brasas.

O corpo fica quente com este ente

Protege e ilumina a rua deserta de máscaras.

Um homem ardente acende com fósforos e pinhas a fogueira do coração

 E toca na excitação da eira corporal.

Sem moral pede para acariciar e romper o ser fechado

Apresso o passo e os dedos até ao destino dos sentidos

Para alcançar a felicidade neste deixarmo-nos ir e vir.

Outros artigos deste autor >

Paulo Fernandes nasceu em Abraveses, Concelho de Viseu em 1969, Bacharel no Curso de Professores do Ensino Primário, pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, concluindo a Licenciatura para o 1.º Ciclo do Ensino Básico no polo de Lamego da Escola Superior de Educação de Viseu. Especializou a sua formação para Educação e Desenvolvimento em Meio Rural no Instituto de Comunidades Educativas em Setúbal.
Desenvolveu a sua atividade profissional em vários locais, incluindo São Pedro do Sul, Campia (Vouzela) e Santa Cruz da Trapa (São Pedro do Sul).
Vive nas montanhas mágicas do concelho de São Pedro do Sul, na aldeia do Candal.

Outros artigos deste autor >

O renascer da arte a brotar do Interior e a florescer sem limites ou fronteiras. Contos, histórias, narrativa e muita poesia.

Deixe o seu comentário

Skip to content