Um homem com nome de árvore sonhou perfumar

Um país deitado junto ao mar.

Quis dar luz e apagar a escuridão e a opressão numa só noite, numa emotiva 

Madrugada, naquele dia único.

Quis riscar a giz vermelho a ditadura salazarenta e sangrenta tão dura e

Implacável para com o Povo.

O novo conquistou o velho miserável na capital de Portugal.

Sem maldade nos gatilhos iluminou e esperançou os filhos 

Da Grândola Vila Morena.

O Povo Unido viu a canção ganhar vida, ouviu a liberdade e a fraternidade,

cheirou a luz verde refletida no Tejo, apalpou o futuro radioso e saboreou

A Rua.

Um homem árvore transformou-se em flor cravada de vermelho para libertar e dar 

Vida feliz e eterna ao povo português.

Outros artigos deste autor >

Paulo Fernandes nasceu em Abraveses, Concelho de Viseu em 1969, Bacharel no Curso de Professores do Ensino Primário, pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, concluindo a Licenciatura para o 1.º Ciclo do Ensino Básico no polo de Lamego da Escola Superior de Educação de Viseu. Especializou a sua formação para Educação e Desenvolvimento em Meio Rural no Instituto de Comunidades Educativas em Setúbal.
Desenvolveu a sua atividade profissional em vários locais, incluindo São Pedro do Sul, Campia (Vouzela) e Santa Cruz da Trapa (São Pedro do Sul).
Vive nas montanhas mágicas do concelho de São Pedro do Sul, na aldeia do Candal.

Outros artigos deste autor >

O renascer da arte a brotar do Interior e a florescer sem limites ou fronteiras. Contos, histórias, narrativa e muita poesia.

Deixe o seu comentário

Skip to content