Sem Religião

Implanta piercings nos joelhos

Para não ajoelhar no altar

Desaparece das preces nas igrejas

E vai apanhar cerejas.

 

Apanha o vermelho do teu sangue

Sai do espelho da estátua de barro cravada com mágoa

Bebe água de todas as nascentes

Nas noites dormentes.

 

Incorpora no ser a energia que guia

E convida à vida com piercings do tempo dos Vikings.

Agarra-te ao momento dessa vertigem

E sê sempre virgem.

 

Oiçam, oiçam a verdade da vontade na palavra

Do meu avô, implantem piercings nos joelhos!

Outros artigos deste autor >

Paulo Fernandes nasceu em Abraveses, Concelho de Viseu em 1969, Bacharel no Curso de Professores do Ensino Primário, pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, concluindo a Licenciatura para o 1.º Ciclo do Ensino Básico no polo de Lamego da Escola Superior de Educação de Viseu. Especializou a sua formação para Educação e Desenvolvimento em Meio Rural no Instituto de Comunidades Educativas em Setúbal.
Desenvolveu a sua atividade profissional em vários locais, incluindo São Pedro do Sul, Campia (Vouzela) e Santa Cruz da Trapa (São Pedro do Sul).
Vive nas montanhas mágicas do concelho de São Pedro do Sul, na aldeia do Candal.

Outros artigos deste autor >

O renascer da arte a brotar do Interior e a florescer sem limites ou fronteiras. Contos, histórias, narrativa e muita poesia.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts
Ler Mais

Exposição “Apontar o dedo ao lobo”: o frente a frente que nos leva a (re)descobrir a espécie

O lobo-ibérico é a personagem central da exposição "Apontar o dedo ao lobo" que está patente na Casa da Cultura de Vimioso, concelho do distrito de Bragança, até o dia 22 de março de 2022 e é constituída por cerca de 25 desenhos da autoria de Agostinho Santos e do premiado escritor Valter Hugo Mãe. Inserido em diferentes contextos, o lobo-ibérico surge, nesta exposição, ligado a narrativas e enquadramentos associados à sua relação com o Homem e o seu imaginário social-simbólico.
Ler Mais

Auto-estrada V

Como é que cheguei aqui?  Uma auto-estrada quase destruiu o palheiro, sim, o mesmo palheiro de família, que…
Skip to content