Foto de Carla Pedroso | Facebook

Foi nas urnas que nasceste,
Nos votos semeados,
Calcados, contados e recontados,
Com a tinta da liberdade
E com um travo a cravo.
Era vermelho esse cravo,
Mas os teus olhos eram verde de esperança,
Olhos que outrora foram negros de escuridão.

Nasceste nos braços em que choraste
E te abrigaste
Enquanto eras obrigado a amamentar com o teu sangue
O poder déspota que te chupava as entranhas e a alma.

Nasceste naquele peito cheio com o qual gritaste
Tremendo temendo
Mas corajosamente
Mesmo que esse peito pudesse ser baleado
Pela arma da opressão e repressão.

Chegou de trevas e escuridão!
É tempo de liberdade!

Agora vives
Nos lábios de emoção a clamarem razão,
Na democracia
E nessa alegria
De sorrir sem esconder,
De gritar sem temer,
De escolher, querer e crer.

Para cresceres apenas te falta ser livre de preceitos
E preconceitos,
Completamente livre para pensar
E não esperando pensar e acreditar
O que qualquer outro defecar
Agindo, assim, como autómatos duma máquina
Que é a sociedade
De consumo sem cessar,
Por vezes um pouco perdida,
Tantas vezes desligada da vida.
Sê diferente para seres livre,
Para que essa máquina se ligue verdadeiramente,
Genuinamente.

Não enchas a boca da putrefação defecada por outros,
Quando podes enchê-la de belos cravos naturais
E mastigá-los,
Saboreá-los
Absorvê-los!

Outros artigos deste autor >

Paulo Rodrigues, Santa Comba Dão, começou a escrever muito cedo.
Participou em várias coletâneas de poesia, prosa ou contos infantis organizadas por vária editoras como a "Orquídea Edições", "Lua de Marfim" e "Modocromia". Escreveu também por diversas vezes em edições "Sui Generis" e a prestigiada "Chiado Books".
Colaborou na organização da fanzine lançada em Santa Comba Dão, "Cabeça Falante", que inaugurou a editora recém-criada "Canhoto Esquerdino R", onde foi Assessor de Comunicação não remunerado.
É criador e administrador do blog "lagrimasdavida.blogspot.pt"

Outros artigos deste autor >

O renascer da arte a brotar do Interior e a florescer sem limites ou fronteiras. Contos, histórias, narrativa e muita poesia.

Deixe o seu comentário

Skip to content