Se algum dia morrer espero estar vivo

Casulos
Casulos
Foto de Josh Aggars | Flickr
[sem título]

se algum dia morrer espero estar vivo
morrer antes da morte é deprimente fado
luto dolente de viver ensombrado
quando partir partirei de mento altivo

espero partir num dançarás mental
o rosto surpreso ao toque do negro arauto
sorriso rasgado nos lábios à badalada final
quando for quero ir dançando ledo e fausto

morrer antes da morte é não ter vivido
junto aos manes mirrar macambúzio e perdido
perder tempo ignorando do porvir o sonho

consumir-se apagado em pesadelo medonho
se algum dia morrer quero ter vivido assim
bailando extasiado zombando em chinfrim

Nasceu em Macedo de Cavaleiros, Coração do Nordeste Transmontano, em 1983, onde orgulhosamente reside. Licenciado em Línguas, Literaturas e Culturas, publicou poemas e artigos na extinta fanzine “NU” e em blogues, antes de editar em 2015 o livro-objecto “Poesia Com Pota”. Português de Mal e acérrimo defensor da regionalização foi deputado municipal entre 2009-2013.
Este autor escreve segundo o antigo acordo ortográfico.

O renascer da arte a brotar do Interior e a florescer sem limites ou fronteiras. Contos, histórias, narrativa e muita poesia.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts
Ler Mais

O banquete dos corvos

Foto por Palombar Outrora mais comum, o corvo é atualmente relativamente escasso na maior parte do território português…
Skip to content