Foto de Josh Aggars | Flickr

[sem título]

se algum dia morrer espero estar vivo
morrer antes da morte é deprimente fado
luto dolente de viver ensombrado
quando partir partirei de mento altivo

espero partir num dançarás mental
o rosto surpreso ao toque do negro arauto
sorriso rasgado nos lábios à badalada final
quando for quero ir dançando ledo e fausto

morrer antes da morte é não ter vivido
junto aos manes mirrar macambúzio e perdido
perder tempo ignorando do porvir o sonho

consumir-se apagado em pesadelo medonho
se algum dia morrer quero ter vivido assim
bailando extasiado zombando em chinfrim

Outros artigos deste autor >

Nasceu em Macedo de Cavaleiros, Coração do Nordeste Transmontano, em 1983, onde orgulhosamente reside. Licenciado em Línguas, Literaturas e Culturas, publicou poemas e artigos na extinta fanzine “NU” e em blogues, antes de editar em 2015 o livro-objecto “Poesia Com Pota”. Defensor acérrimo da regionalização foi deputado municipal entre 2009-2013.
Este autor escreve segundo o antigo acordo ortográfico.

Outros artigos deste autor >

O renascer da arte a brotar do Interior e a florescer sem limites ou fronteiras. Contos, histórias, narrativa e muita poesia.

Deixe o seu comentário

Skip to content