Contestação contra a mina de Morgade continua

Foto por Almocreve Bio Portugal Português | Facebook
A Montalegre Com Vida – Associação de Defesa Ambiental organizou no passado domingo, dia 21 de julho, uma caminhada de protesto contra a instalação de uma mina a céu aberto de extração de lítio na freguesia de Morgade.

A caminhada contou com a participação de aproximadamente 300 pessoas e passou pelas três aldeias da freguesia que serão afetadas pela mina, Morgade, Carvalhais e Rebordelo. Esta ação vem no seguimento da mobilização da população da freguesia que se vem vindo a manifestar contra a instalação de uma mina a céu aberto anunciada para esta área.

O contrato de exploração entre o Estado português e a empresa Lusorecursos foi assinado a 28 de Março, porém se até agora a informação era de que a extração seria a céu aberto, na segunda-feira após a caminhada, o Jornal de Negócios publica um artigo em que se fica a saber que “a exploração da mina de lítio em Morgade, no concelho de Montalegre, vai ser mista, efetuando-se primeiro a céu aberto e passando depois, à cota das aldeias, para túnel”. Segundo declarações do diretor executivo (CEO) da Lusorecursos Portugal Lithium, S.A, Ricardo Pinheiro, “nunca foi sequer equacionada a hipótese de a mina do Romano ser exclusivamente a céu aberto”.

Estas últimas informações são, segundo Armando Pinto, da Montalegre Com Vida, uma forma da empresa reagir à contestação da população uma vez que “nas sessões que a Lusorecursos fez em Morgade e Carvalhais sempre foi dito que a mina seria a céu aberto”.
Para este membro da associação esta nova posição da empresa “só me deixa mais indignado porque demonstra que a empresa não está de boa-fé, ou não sabe o que está a fazer, pela inexperiência que tem no assunto”.

Em declarações ao Jornal de Negócios o diretor executivo da Lusorecursos disse ainda que será usada “uma técnica de mineração à superfície, sem recurso à utilização de explosivos, que minimizará os impactes com o ruído e as poeiras”. Ao Interior do Avesso, Armando Pinto admite que “se a mina fosse em túnel não haveria tanta contestação, mas nós sabemos que é impossível fazerem isso, não seria viável” e que “os próprios geólogos referiram que é impossível fazer uma extração a céu aberto sem explosivos, porque estamos a falar de rochas graníticas”.

(Escrito por MFS)

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts
Foto da reportagem "As cartas que nunca escrevi" de Sara de Melo Rocha. TSF.
Ler Mais

Reportagem TSF sobre projeto da CooLabora vence Prémio APAV

"As cartas que nunca escrevi. Os silêncios das sobreviventes da violência doméstica", foi distinguida com o Prémio APAV para o Jornalismo 2021. O trabalho visita uma das oficinas de escrita autobiográfica que todas as semanas se realizam na Covilhã.
Skip to content