Foto por Greve Climática Estudantil | Facebook

No âmbito do Dia da Terra, assinalado hoje, 22 de abril, a Greve Climática Estudantil reivindica uma mobilidade sustentável e uma transição energética justa. Lamego e Viseu têm mobilizações marcadas para amanhã.

O movimento nacional da Greve Climática Estudantil (GCE), porque é preciso #AterrarNaFerrovia,  junta-se ao movimento global Fridays For Future, que convoca mobilizações por justiça climática em todo o mundo.

“A aviação, sendo apenas um modo de transporte, emitiu cerca de 4720 mega toneladas de CO²eq em 2018 só no nosso país. Segundo a ciência, temos até 2030 para cortar globalmente 50% das emissões atuais e Portugal, por questões de responsabilidade histórica, deve cortar as suas em 74%. Avançar com o projeto de expansão do Aeroporto da Portela é um delírio! Para o Governo atingir as suas metas, que já por si são insuficientes, não pode construir mais um aeroporto no Montijo ou noutro lugar, nem expandir os existentes”, considera a Greve Climática em comunicado.

Segundo ativistas da GCE, “a ferrovia tem a capacidade para desempenhar um papel de peso na transição ecológica da nossa sociedade, é necessário investir no transporte ferroviário como uma alternativa de mobilidade, criando postos de trabalho e uma rede de transportes públicos acessível e gratuita, colmatando assimetrias regionais e desigualdades socioeconómicas. Mobilizamo-nos porque não podemos deixar para depois esta transição, que deve assegurar direitos laborais às pessoas trabalhadoras no setor da aviação, com planos reais de requalificação e de integração noutras atividades!”.

As mobilizações começam hoje, pelas 16h30, nas zonas de chegada do aeroporto de Lisboa, onde irá ser feito “um círculo de silêncio, para que as nossas vozes sejam ouvidas e o projeto do aeroporto no Montijo seja abandonado.”

Ainda hoje, no Algarve, ativistas vão reunir-se, em Faro, às 17h00 no Jardim em frente ao Fórum Algarve, para uma oficina de cartazes, ensaio de ritmos, cânticos e palavras de ordem e preparação da ação de amanhã. O dia termina com uma roda de debates.

A Ação do Dia da Terra acontece amanhã, dia 23 de Abril, contando com mobilizações em vários pontos do o país:

  • Algarve (às 17h30 na Estação de Comboios de Faro e às 18h30 no Jardim Manuel Bívar)
  • Alcácer do Sal (às 10h30 em frente à Câmara Municipal)
  • Aveiro (às 17h no Jardim da Fonte Nova)
  • Caldas da Rainha (Pintura do Mural na Avenida Primeiro de Maio)
  • Évora (às 15h no Centro Histórico)
  • Lamego (às 10h30 na Avenida Dr. Alfredo Sousa)
  • Lisboa e Montijo (marcha às 16h desde o Parque Municipal do Montijo até à Câmara Municipal)
  • Viseu (às 17h no Rossio).

A GCE “apela a que a sociedade civil se junte à ação mais perto de si e que faça parte deste protesto contra o caminho para o fim da civilização como a conhecemos hoje. Não obstante as ações presenciais, toda a gente pode participar online partilhando conteúdo nas redes sociais sobre o tema, no guia de ação encontra-se tudo explicado. Os motivos destas ações podem ser lidos na íntegra no manifesto e as organizações subscritoras já foram divulgadas.”

Para encerrar a semana, a 24 de abril, a Climate Live, com lugar em mais de 40 países, chega pela primeira vez a Portugal. “O evento que mistura luta por justiça climática com música vai acontecer a nível nacional entre as 15h e as 18h30 e das 21h às 23h10. Apesar das mobilizações desde 2018, líderes mundiais continuam a não dar resposta à crise climática e com este evento queremos perguntar ‘Can you hear us yet?’”.

O evento será transmitido em direto nas redes sociais do coletivo (Instagram, Twitter, Facebook e Youtube) e todas as informações estão em constante atualização no site https://greveclimaticaestudantil.pt/.

 

Greve Climática Estudantil sai à rua no final de abril pelo investimento na ferrovia

Deixe o seu comentário

Skip to content