Com o argumento da Pandemia da Covid-19, foi encerrado em março o SAP – Serviço de Atendimento Permanente de Mangualde, localizado em Cubos, mantendo-se agora com horário reduzido. “Absolutamente lamentável” e “é um tremendo erro” dizem David Santos e Catarina Martins.

O descontentamento popular pelo arrastar deste encerramento há 7 meses leva agora ao anúncio do alargamento do atendimento do centro de saúde por mais duas horas, de segunda a sexta e reabertura ao sábado e feriados, ainda durante o mês de novembro.

Assim, o atendimento que seria permanente, 24 horas por dia, 7 dias por semana, passa a trabalhar nos dias úteis das 8 horas até às 22 horas e aos sábados e feriados das 9 horas às 15 horas.

Segundo várias fontes na comunicação social, a garantia deste alargamento de horários foi deixada à Câmara Municipal de Mangualde, pelo Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Dão Lafões e pela Administração Regional de Saúde (ARS) do Centro.

“Absolutamente lamentável” e “um tremendo erro”, dizem David Santos e Catarina Martins

Em declarações ao Interior do Avesso, David Santos, morador no concelho, afirma que “é absolutamente lamentável que tenham encerrado o SAP de Mangualde em plena pandemia” e, para este dirigente distrital do Bloco de Esquerda, isso “diz tanto sobre o estado do Serviço Nacional de Saúde” e “sobre a defesa dos serviços públicos de saúde no Interior, numa realidade de maior população envelhecida e mais pobre”.

Disse ainda considerar “um ataque aos mais vulneráveis em contextos geográficos onde os serviços públicos em geral têm desaparecido e sido centralizados em Viseu” e que estas “políticas públicas ineficientes e insustentáveis que acabam por sobrecarregar o Hospital São Teotónio”.

Considera ainda que o “argumento de que o encerramento do SAP se deve à idade dos médicos que aí atendiam e ao facto da pandemia, é um argumento que vem dar razão aos que como o Bloco de Esquerda têm defendido uma substancialmente maior contratação de médicos para o SNS”.

Já em agosto, em Mangualde e à margem de uma viagem na Linha da Beira Alta, a coordenadora nacional do partido, Catarina Martins, disse que a manutenção do encerramento dos SAP, como dos atendimentos dos Centros de Saúde “é um tremendo erro”, acrescentando que o “funcionamento do Serviço Nacional de Saúde em Mangualde como todo o resto do país tem de voltar à normalidade dos cuidados de saúde”.

“Criar corredores separados para covid e não covid, para permitir ao mesmo tempo que estamos a responder ao covid e ter toda a outra atividade do serviço nacional de saúde normalmente a funcionar”, mas para o Bloco “isto precisa de mais gente, mais profissionais de saúde”.

Deixe o seu comentário

Skip to content