Foto por Museu do Caramulo

O Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) inaugura a exposição “A Colecção Utópica: O Museu do Caramulo vem ao MNAA”, composta por obras de arte do museu no concelho de Tondela.

“Aproveitando o encerramento do Museu do Caramulo para a requalificação dos espaços museográficos, foi feita uma selecção das obras de arte mais emblemáticas que se conservam naquele museu, trazendo-as à fruição do público lisboeta. Procura-se assim dar a conhecer a um maior número de pessoas estas preciosidades, desconhecidas para muitos”, explica a instituição, de acordo com o Notícias de Vouzela (NV).

A exposição inclui várias pinturas, entre as quais o primeiro Picasso exposto em Portugal, quadros de Amadeo de Souza-Cardoso, Maria Helena Vieira da Silva e Eduardo Viana, ou ainda exemplares de pintura antiga, de autores como Grão Vasco, Isembrandt, Quentin Metsys e Frei Carlos.

A mostra conta ainda com diversos objectos de artes decorativas, como por exemplo uma das tapeçarias da série conhecida como “à maneira de Portugal e da Índia”, peças raras de porcelana chinesa e obras de arte Namban, a que também se somam peças de jovens criadores incorporadas recentemente nas colecções do Caramulo. Um Buggat representa os automóveis do Museu do Caramulo, coleção única no país.

Em paralelo com a inauguração da exposição, adianta o NV, vai ser estreado um documentário sobre Abel de Lacerda (1921-1957), natural da vila do Caramulo e o principal impulsionador do museu. Em apenas quatro anos, de 1953 a 1957, reuniu uma inestimável coleção de arte. O museu viria a ser inaugurado apenas em 1959, pelo irmão João de Lacerda, depois da morte de Abel num acidente de automóvel.

João de Lacerda, segundo o NV, adicionou às características do espólio a sua paixão pelos automóveis “clássicos” e a coleção de velocípedes que reuniu e que veio a expor em espaço próprio junto ao edifício do museu.

Deixe o seu comentário

Skip to content