Fotos de José Maria Moura e Diego Garcia

A denúncia é feita por ativistas ambientais no rio Tejo que afirmam que a água está “a correr castanha, e em alguns sítios com alguma espuma na superfície”. Os ativistas apontam o dedo à indústria papeleira que aumentou a produção “na fábrica ao ponto de não conseguirem tratar devidamente todos os seus efluentes”. A zona afetada é entre Vila Velha do Ródão e Abrantes onde a poluição no rio Tejo é recorrente. 

Rio Tejo novamente como grande carga de poluição, drone mostra a gravidade da poluição no rio. Junto a Vila Velha de Rodão, e no cais do Arneiro Niza os lagostins da Luisiana já estão junto ás margens, devido á falta de oxigénio nas águas. PARTILHEM POR FAVOR

Pubblicato da Arlindo Consolado Marques su Mercoledì 6 maggio 2020

Ontem, dia 6 de maio, o rio Tejo voltou a aparecer com focos de poluição e segundo informações que o Interior do Avesso recolheu afetas às zonas de Vila Velha de Ródão, Mação e Abrantes. A denúncia é feita pelos ativistas ambientais que incansavelmente lutam pela sua proteção e conservação. Os ativistas denunciam que “o Rio Tejo novamente como grande carga de poluição junto a Vila Velha de Ródão, e no cais do Arneiro, em Nisa os lagostins da Louisiana já estão junto às margens, devido à falta de oxigénio nas águas”. 

Relembramos que a Comissão Coordenadora Distrital de Castelo Branco do Bloco de Esquerda, em janeiro de 2020, já tinha denunciado esta situação de poluição no rio Tejo, uma poluição com as mesmas características que encontramos agora.

(Escrito por DG)

Deixe o seu comentário

Skip to content