Falhas de segurança, lacunas estruturais e problemas de acabamentos são denunciados pelos moradores dos apartamentos da Quinta da Igreja, em Mangualde, destinados ao programa de arrendamento acessível do Instituto de Habitação e Reabilitação Urbana (IHRU).

A deputada do Bloco de Esquerda Maria Manuel Rola, da Comissão de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação, em conjunto com membros da Comissão Distrital do Bloco de Esquerda de Viseu, esteve ontem no local em reunião com os moradores, com o objetivo de se inteirar sobre como está a decorrer aquele que é o primeiro programa do género no país.

As denúncias por parte dos moradores foram muitas. Os apartamentos que foram disponibilizados às famílias contempladas a partir de outubro foram entregues com notórios problemas ao nível de acabamentos.

São visíveis, entre muitas outras queixas, paredes com humidade, janelas que não funcionam, vários armários e roupeiros embutidos com partes que caíram, nomeadamente em cima de crianças, portas de entrada com grandes folgas, chão flutuante com falhas e queda de estuque através do exaustor.

Foram ainda detetadas deficiências ou lacunas estruturais difíceis de explicar, como o acesso vedado a varandas, a ausência de espaços exteriores tratados, a inexistência de elevadores, apesar de os mesmos estarem previstos e de existir nos edifícios o espaço para eles ou a inexistência de rede de distribuição de gás ou de internet/televisão.

Um outro aspeto insólito é a ausência de escadas, ou de qualquer outro acesso interior às garagens num dos lotes. Para os moradores desse lote se deslocarem à garagem têm que entrar por um dos outros lotes.

Ainda nas garagens, existe uma central de alarme e detecção de incêndios desligada, para além de extintores sem revisão e de caixas de areia vazias, sem a devida sinalética aplicada e ainda embaladas. Os moradores relataram também inexistência de ligação elétrica à terra.

Deixe o seu comentário

Skip to content