De acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), o mês de julho extremamente quente contribuiu para que o período de janeiro a julho de 2020 fosse o mais quente dos últimos 90 anos. Por Esquerda.net

IPMA que o valor médio da temperatura média do ar, em julho 25.08 °C, foi muito superior ao normal, +2.91 °C, sendo que o valor médio da temperatura máxima do ar, 33.34 °C, foi o mais alto desde 1931, com uma anomalia de +4.61°C. Já o valor médio da temperatura mínima do ar, 16.83 °C, com uma anomalia de +1.21°C foi o 5º mais alto desde 1931.

Conforme assinala o Instituto em comunicado, durante o mês de julho os valores de temperatura (média e máxima) do ar foram quase sempre superiores ao normal, destacando-se os dias 5 a 7, 16 e 17, que atingiram um valor médio da temperatura máxima do ar no continente superior a 35 °C. Acresce que a temperatura mínima do ar foi praticamente sempre superior ao valor normal mensal. No dia 17, o valor médio da temperatura mínima no continente ascendeu a perto de 20 °C.

Durante o mês ocorreram três períodos com onda de calor: 4 a 13, nas regiões do interior Norte e Centro; 9 a 18 nas regiões do interior Norte, Centro e Sul; 25 a 31 em especial no interior Norte.

O valor médio da quantidade de precipitação em julho, 4.0 mm, corresponde a 30% do valor normal. Ainda assim, foram registadas situações de instabilidade atmosférica em alguns locais do Centro e Sul do território, com aguaceiros, granizo e trovoada.

A maioria do território de Portugal continental estava em julho em seca fraca (71,4%). No restante, estava em seca moderada (19,9%), normal (8,4%) e severa (0,3%).

 

Publicado em Esquerda.net a 08 de agosto de 2020.

Deixe o seu comentário

Skip to content