Foto por André Ribeiro | Apaixonado por autocarros. (Facebook)

Há alunos que frequentam o Ensino Superior, em Viseu, que neste momento não se estão a conseguir deslocar das zonas de onde são naturais para poderem ir para as aulas, ou mesmo às frequências ou exames. Ministro do Ensino Superior não prevê alteração das aulas e avaliações presenciais.

Segundo noticiou o Jornal do Centro (JC), por não ter como fazer a viagem, uma aluna do segundo ano de Comunicação Social, da ESEV (Escola Superior de Educação de Viseu), natural de Pombal, faltou a uma frequência marcada para esta terça-feira (19 de janeiro).

“Na quinta-feira (14 de janeiro) tive que vir a casa por motivos de força maior. Mas comprei o bilhete para voltar para Viseu na segunda-feira seguinte. Entretanto, recebo um email da Rede Expressos a dizer que iam suprimir alguns autocarros”, explicou a estudante ao JC.

Contactando a escola, para explicar a sua situação “e a de muitos colegas”, a aluna terá obtido como resposta que “a escola não garante transporte, mas têm de ser os alunos”. Acrescentando ainda ao JC que “não foi autorizada por parte da escola a avaliação à distância porque a falta de transporte não é uma justificação plausível”, apesar de todos os autocarros entre Leiria e Viseu, ou mesmo entre Leiria e Coimbra, terem sido suprimidos.

O Jornal do Centro contactou a Rede Expressos mas, ainda sem resposta, adianta que “tratando-se de uma empresa privada, e à semelhança de outras do mesmo ramo, vários serviços foram suprimidos por falta de rentabilidade.” Quanto à ESEV, também contactada pelo JC, o presidente garantiu que a situação está a ser analisada de forma a que os estudantes não sejam prejudicados.

Apesar deste tipo de situações, o Ministro da Ciência e Ensino Superior rejeita, para já, alterar aulas ou avaliações presenciais. Numa audição da comissão parlamentar de Educação, Ciência, Juventude e Desporto, Manuel Heitor argumentou que geralmente a incidência de casos de contágio pelo novo coronavírus em instituições do Ensino Superior é inferior à dos concelhos onde se inserem.

 

Para quando o restabelecimento de ligações de transportes coletivos?

Caminhos do Interior – Que estratégia para os Transportes Públicos no Interior?

 

 

Deixe o seu comentário

Skip to content