Foto de Vitor Oliveira | Flickr

No passado mês de outubro o Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor prometeu que antes do final do ano de 2019 estariam em marcha as obras para a criação de uma residência para estudantes do Politécnico de Bragança, numa primeira fase com 80 camas, mas que se prevê com 300. No entanto, até ao momento ainda não começaram as obras.

Com o aumento do número de alunos no Instituto Politécnico de Bragança, já não são de agora os problemas no que respeita ao alojamento para estudantes, o que já em 2018, segundo a TSF tinha levado a um aumento do preço dos quartos.

Neste sentido Orlando Rodrigues, presidente do IPB explicou ao Nordeste que o instituto fez o que estava ao seu alcance, para identificar os edifícios a reabilitar, mas que não tem conhecimento de quando irão começar as obras. Está previsto que os edifícios que serão para recuperar são em Bragança, Macedo de Cavaleiros, Mirandela e Chaves, todas estas, cidades onde o instituto politécnico tem oferta formativa.

Os locais com possibilidade de reabilitação são quatro vivendas da Direcção Regional de Agricultura, a antiga residência da Estacada e a nunca acabada escola de hotelaria, situada perto NERBA. Por sua vez, em Macedo de Cavaleiros será reabilitada uma antiga residência para estudantes e Mirandela e Chaves em edifícios desocupados do Ministério da Agricultura. segundo refere Sobrinho Teixeira, Secretário de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

Escrito por JL

Deixe o seu comentário

Skip to content