O projeto “Inclusão Social de Pessoas Transgénero”, de um grupo de alunas da Escola Secundária Emídio Navarro (ESEN) em Viseu, ganhou o 2º Prémio Nacional do Projeto Nós Propomos! 2019/20, dinamizado pelo IGOT-Universidade de Lisboa em escolas de todo o país. 

O Projeto Nós Propomos! surgiu em 2011/12, no IGOT-Universidade de Lisboa, e, deste então, “desafia jovens a olharem criticamente para a sua comunidade, a identificarem problemas socioterritoriais, a realizarem trabalho de campo sobre os mesmos e apresentam propostas de intervenção, que depois partilham publicamente”, segundo Sérgio Claudino do Projeto Nós Propomos!/IGOT.

O 2º Prémio Nacional em Portugal da última edição foi atribuído ao Projeto Inclusão social de pessoas transgénero, da autoria de Catarina Coimbra, Larissa Cabral, Luana Bispo, Marta Correia e Sara Almeida, alunas da do 11.ºF da ESEN, sob a orientação da professora Lurdes Marques.

“Nas escolas portuguesas, há duas centenas de alunos transgénero. As autoras da proposta, depois de inquirem população de Viseu, sugerem medidas de integração daqueles alunos, centradas sobretudo numa mudança de atitudes em relação às pessoas transgénero”, pode ler-se na síntese do projeto.

Segundo Sérgio Claudino (Projeto Nós Propomos!/IGOT), “os projetos são de âmbito diverso, todos com uma forte componente local. O projeto classificado em 2º lugar surge como de âmbito nacional (integração de jovens transgénero nas escolas) mas, na realidade, em Viseu têm existido problemas de homofobia, pelo que há um efetivo significado local da proposta.”

Na edição de 2019/20 o Projeto contou com a participação de cerca de 2800 alunos e professores. Apesar da situação pandémica, foram finalizados cerca de 330 projetos das 420 propostas estimadas. No final de cada ano letivo, há um concurso a nível nacional dos melhores projetos em cada um dos países em que o Nós Propomos! já está presente (Portugal, Espanha, Moçambique, Brasil, Colômbia, Perú e México).

A partir de 2014/15, foram criados concursos temáticos e em 2017/18 não foi atribuído nenhum prémio nacional, uma vez que o Projeto “é, por definição, um projeto basista que valoriza o contributo de todos os alunos para a sua comunidade.” No entanto, alunos e professores transmitiram a sua preferência pela existência de prémios nacionais.

A seleção dos melhores projetos  de 2019/20 foi efetuada por um júri, constituído no âmbito do IGOT, com os professores Herculano Cachinho, Helena Esteves, Ricardo Garcia e Katielle Silva. 

O júri destacou como características transversais aos projetos dos alunos “a preocupação com a inclusão, a sustentabilidade e a participação ativa da população” e a utilização de metodologias como “os inquéritos, a observação e a estatística descritiva da informação recolhida em primeira mão, através de inquéritos à população e entrevistas a responsáveis por entidades locais.”

O primeiro prémio foi atribuído ao Agrupamento de Escolas de Vilela, em Paredes, ao grupo constituído por Ana Catarina Ferreira, Ariana Moreira, Carla Gomes da Silva e Carlos Nunes Seabra, que elaboraram projeto sobre “Os jovens e a oferta cultural em Rebordosa”.

O terceiro prémio nacional ficou na Escola Secundária de Penafiel, com o grupo Luciana Leite, Rita Moreira, Mariana Silva, Luana Alves, João Ferreira e Constança Silva, e o projeto “Acolhimento de (i)migrantes na cidade de Penafiel”.

Deixe o seu comentário

Skip to content