Foto de Município de Viseu | Facebook

Almeida Henriques, atual presidente da Câmara de Viseu, e antigo secretário de Estado Adjunto da Economia e Desenvolvimento, está a ser investigado pelo Ministério Público por suspeita de recebimento de avença em troca de favores ao empresário José Agostinho Simões, acusado no processo da Operação Éter.

Na edição de hoje do Jornal de Notícias é divulgado que Almeida Henriques terá recebido valores que rondam os 120 mil euros, através da empresa QI Consultoria Empresarial enquanto esteve no Governo e no Parlamento. Na investigação levada a cabo pela Polícia Judiciária tudo indica que esta empresa, atualmente gerida pela esposa do autarca, terá sido criada de forma a legitimar os pagamentos de José Agostinho.

O autarca terá fornecido informação privilegiada a José Agostinho, em 2010 como deputado e membro da Comissão Parlamentar de Assuntos Económicos, Inovação e Energia e do Grupo de Trabalho sobre Desenvolvimento Regional, e depois em 2011, como secretário de Estado, passando a estar ligado aos fundos do Quadro de Referência Estratégica Nacional.

De acordo com a investigação da PJ, Almeida Henriques terá ainda promovido contactos entre José Agostinho e autarcas e decisores políticos, nomeadamente Manuel Machado e Rui Moreira, presidentes das Câmaras de Coimbra e Porto, respetivamente.

Em 2015 o autarca terá voltado a interceder a favor de José Agostinho, desta feita os contactos terão sido feitos com Pedro Silva Dias, presidente da Agência para a Modernização Administrativa.

Almeida Henriques não reagiu ou prestou quaisquer declarações até ao momento.

Deixe o seu comentário

Skip to content