Autárquicas 2021: Bloco de Esquerda formalizou hoje a primeira candidatura no Peso da Régua

Candidatura Peso da Régua

O Bloco de Esquerda entregou hoje, no Tribunal Civil, as listas da candidatura aos órgãos autárquicos de Peso da Régua.

Enara Teixeira, 38 anos, historiadora no Museu do Douro, é cabeça de lista à Câmara Municipal e vê nesta candidatura “muito daquilo que a cidade do Peso da Régua espera e precisa, como por exemplo as políticas de geração de emprego nos diferentes setores, agricultura, turismo, e outros serviços, para combater o êxodo demográfico. Além disso, propomos melhorias na qualidade de vida dos munícipes, com a apresentação de projetos de recuperação cultural e social. A educação não foi esquecida, sendo também uma das bandeiras desta candidatura, onde vemos a necessidade de alargarmos a oferta de cursos profissionalizantes e uma melhor relação entre a escola pública e as ofertas desportivas e culturais. Nunca esquecendo da sustentabilidade ecológica, que se faz urgente nos dias de hoje!”

Vasco Valente Lopes, 37 anos, enólogo, é cabeça de lista à Assembleia Municipal e relatou ao Interior de Avesso que assume esta candidatura pela vontade e responsabilidade de participar ativamente nas decisões que tomamos como sociedade, dando voz a quem acha que podemos e devemos fazer mais e melhor pelo futuro da cidade e da região. “O Bloco de Esquerda aparece no Peso da Régua como alternativa às políticas, locais e nacionais, que contribuíram para que o concelho tenha perdido 15% da sua população, como apurado nos últimos censos, e em sintonia com o projecto que o Bloco de Esquerda tem para um país, e um mundo, mais sustentável, mais ecológico, mais inclusivo e menos desigual.”. Refere ainda que “é preciso proteger a identidade agrícola do Douro e mudar o paradigma do turismo que é hoje elitista, pouco ecológico e sustentável, pois favorece os grandes grupos económicos e pouco faz chegar ao comércio local.”.

Esta é a primeira vez que o Bloco de Esquerda se candidata no Peso da Régua, e ambos os candidatos vincam que se apresentam “livres e estanques da pressão que o grande capital exerce sobre os políticos”, prometendo, por isso, estar, “na hora da decisão, ao lado dos munícipes e do território”.

Peso da Régua: Bloco de Esquerda defende reconversão da antiga fábrica Milnorte a favor do interesse público

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Related Posts
Ler Mais

SNPC considera que há “muita parra e pouca uva na conservação da natureza e florestas”

O Sindicato Nacional da Proteção Civil considera que Portugal está atrasado em relação a outros países na “conservação da natureza e da biodiversidade”, afirmando que em Portugal Continental existem cerca de 196 Vigilantes da Natureza no ICNF e que tendo em conta os 845 mil hectares, só de área protegida, “em média cada Vigilante da Natureza tem a seu cargo 4 311,22 mil hectares”. O Sindicato defende a “Revisão da Carreira Profissional para os Vigilantes da Natureza”.
Skip to content