Mangualde: “alargamento de horário do atendimento no Centro de Saúde de Cubos foi um embuste”

O anúncio do alargamento por mais duas horas durante os dias úteis e durante as manhãs de sábados e feriados foi amplamente divulgado pelo executivo municipal de Mangualde como uma passo no sentido da restituição do SAP – Serviço de Atendimento Permanente. Na realidade, o alargamento do horário foi uma medida no âmbito da resposta à Covid-19. 

O Mangual em Movimento, candidatura do Bloco de Esquerda à Assembleia Municipal de Mangualde, considera que o anúncio “amplamente propagado” foi um “embuste”.

Esta semana, Catarina Martins, Coordenadora Nacional do Bloco de Esquerda, e a candidatura do Bloco à Assembleia Municipal de Mangualde, reuniram com a coordenadora da Unidade de Saúde Familiar de Mangualde para aferirem sobre a possível reabertura do SAP; sobre as necessidades e carências de meios técnicos e de equipamento do Centro de Saúde; e ainda sobre as condições de trabalho dos profissionais em contexto de pandemia. 

“Entre muitas preocupações sobre o acesso ao SNS – Serviço Nacional de Saúde – no concelho e na região, veio a confirmação da desinformação propagada pelo atual executivo camarário e pelo então presidente da Junta de Freguesia de Mangualde e agora candidato à presidência da Câmara Municipal, Marco Almeida, que, nessa ocasião, apresentaram a extensão de horário em duas horas em dias úteis, e manhãs de sábado e feriados, como uma conquista da autarquia face ao encerramento do SAP”, divulgou entretanto o Mangual em Movimento através de comunicado.

Segundo o Bloco esclarece, “o que aconteceu foi exatamente o contrário”. As USF presentes no Centro de Saúde de Cubos acabaram por ser sobrecarregadas pela necessidade de estender o seu horário para além do horário regular de forma a responder aos utentes covid-19. para além dos restantes utentes.

“As horas de alargamento são dedicadas ao atendimento respiratório, em local próprio, como forma de separar doentes covid e não covid e sucedem à existência, no mesmo local e em meses de maior pressão da pandemia, a um atendimento dedicado a estas patologias. Assim, ao invés da extensão de horário servir para melhor responder às necessidades da população mangualdense, veio sobrecarregar ainda mais os profissionais de saúde da Unidade Familiar com mais horas de trabalho – nomeadamente, trabalho extraordinário – e com maior dispersão de recursos humanos e técnicos”, explica o Bloco.

A candidatura à Assembleia Municipal mantém “o firme compromisso com o regresso do SAP e com a valorização dos profissionais de saúde. Cientes de que não se pode responder aos mais idosos e vulneráveis, nem atrair e fixar famílias em Mangualde, sem se contrariar a erosão dos serviços públicos no Interior.”

 

Mangualde: Catarina Martins considera “essencial” reabertura do SAP

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados
Skip to content