Conselho de Segurança Nuclear Espanhol dá parecer negativo a mina de urânio a 30Km da fronteira

Mina

O Conselho de Segurança Nuclear (CSN) deu hoje, 12 de julho, em Madrid, parecer negativo ao pedido de autorização para a construção da fábrica de concentrados de urânio em Retortillo, perto da fronteira portuguesa, a norte de Vilar Formoso.

Ambientalistas, não só espanhóis como também portugueses, têm-se posicionado e manifestado contra a instalação da mina de urânio em Retortillo (Salamanca), a apenas cerca de trinta quilómetros da fronteira entre Portugal e Espanha.

Segundo notícia da Lusa, o motivo apontado para o parecer “desfavorável” ao pedido deve-se à “baixa fiabilidade e nas elevadas incertezas das análises de segurança da instalação radioativa em relação aos aspetos geotécnicos e hidrogeológicos”.

Acrescentam ainda que as avaliações realizadas sobre a documentação que acompanha o pedido apresentado pela empresa Berkeley Minera Espanha detetaram “numerosas deficiências ao longo da avaliação”.

De seguida, o parecer técnico será submetido ao Ministério da Transição Ecológica e do Desafio Demográfico de Espanha, a quem compete a decisão final sobre a matéria.

O parecer “desfavorável” já faz sentir os seus efeitos. De acordo com a Lusa, ao início da tarde, a Berkeley Energy estava a cair mais de 12% na bolsa de Madrid ao início da tarde.

Em 2015, a Berkeley obteve a autorização para uma instalação radioativa de primeira categoria do ciclo do combustível, com validade até setembro de 2020. Porém, a decisão final estava dependente do relatório da CSN.

Já no início deste ano, a CNS informou ter recebido pressões da empresa, através do envio de várias cartas por gestores da entidade e membros do Governo de Castela e Leão, além de vários investidores.

 

 

Na Cimeira Ibérica, convergiram protestos laborais e ambientais

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts
Ler Mais

Teatro das Beiras recebe: “Ai o Medo que (Nós) Temos de Existir!”

Através da pela e num palco de teatro contam-se quinze anos de acontecimentos intensos que se seguiram à Revolução dos Cravos, desde os dias em que os portugueses descobriram o que era a liberdade e a democracia, às primeiras eleições livres, às conquistas de direitos de cidadania e de justiça social, ao acabar com a Guerra Colonial, lutando contra os golpes que os saudosos do Estado Novo iam perpetrando.
Skip to content