A Beira Interior, durante a pandemia da covid-19, sofreu um aumento de 2% no desemprego. Em termos concelhios, Almeida foi o que mais aumentou com 32,5% e o Fundão foi o único município da região onde o desemprego diminuiu, com um valor de -6,4%.

A Rádio Clube da Covilhã cita o último relatório de José Ramos Pires Manso, docente da Universidade da Beira Interior e responsável pelo Observatório para o Desenvolvimento Económico e Social, que reflete sobre as consequências da covid-19 no emprego na região da Beira Interior, onde a pandemia teve um impacto reduzido num aumento de 2% do desemprego. 

Relativamente aos concelhos, Almeida foi o município onde o desemprego mais cresceu, com um aumento de 32,5% ou Oleiros com 20,5%. Em contraste, temos o concelho do Fundão, onde o desemprego caiu -6,4%. 

Sobre os números absolutos, a Covilhã continua em segundo lugar no número total de desempregados, relativamente à região da Beira Interior, seguidos pela Guarda, Fundão e Seia. O concelho de Castelo Branco é o que mais desempregados tem, com um total de 1700. No lado oposto temos a Mêda, que é o município com menos desempregados.

Comparando com o período homólogo do ano passado, o desemprego apenas aumentou 2% em toda a região da Beira Interior, o que “desta vez, felizmente” a região “foi poupada pela própria pandemia”, refere o docente.

Deixe o seu comentário

Skip to content