O Grupo de Trabalho para a Defesa dos Direitos dos Animais do Bloco de Esquerda do Distrito de Viseu e o Viseu Animal Save divulgaram em comunicado a sequência de eventos e de lutas que já desde 2017 exigiam o fim da “Monumental Garraiada” organizada pela Associação de Estudantes da Escola Superior Agrária de Viseu (AEESAV).
A AEESAV anunciou que este ano este evento não se irá realizar, decisão louvada por estes movimentos que ainda assim se deseja que seja definitiva.

A Garraiada organizada pela Associação de Estudantes da Escola Superior Agrária de Viseu (AEESAV) foi cancelada

A Garraiada é um evento que, com mais intensidade, ao longo dos últimos 3 anos gerou na cidade grande contestação. Desde essa altura, elementos do Movimento Anti-Garraiada (que integravam sobretudo membros do Grupo de Trabalho para a Defesa dos Direitos dos Animais do Bloco de Esquerda, pessoas individuais e independentes, mas também numa fase posterior, membros do Viseu Animal Save e de outros partidos políticos) foram-se reunindo tanto com a direção da Associação de Estudantes da Escola Superior Agrária como com a direção do Instituto Superior Politécnico de Viseu, Instituição do qual a ESAV faz parte.
Na sequência desses contactos, a AEESAV avançou com um referendo na Escola Superior Agrária de Viseu, tanto no ano de 2018 como no ano corrente, tendo comunicado que em ambas as ocasiões havia uma maioria de estudantes favorável à realização do evento. Em ambas as situações porém, o Movimento Anti-Garraiada constatou que poucos alunos puderam votar dada a calendarização de ambas as consultas, ocorridas em períodos em que a maioria dos estudantes estariam ausentes da cidade, criando assim a baixa participação da comunidade estudantil nos referendos.
Em 2017, foi criada uma petição online “Pelo fim da Garraiada na Escola Superior Agrária de Viseu” cujo manifesto mereceu, até ao momento, 2.197 assinaturas de apoio. Foram ainda levadas a cabo nesse ano e no seguinte, sensibilizações de rua com distribuição de panfletos explicando as razões dos promotores da petição, durante as quais foi possível perceber que

os cidadãos de Viseu na sua maioria desconheciam e não aprovavam o evento,

impressão que veio a ser reforçada pelo debate radiofónico, já no ano de 2018 – acompanhado por um livestream seguido de votação do público – realizado pela Emissora do Jornal do Centro
O Bloco de Esquerda do distrito de Viseu e o Viseu Animal Save organizaram, no último ano, uma vigília contra a garraiada, numa iniciativa que mobilizou várias pessoas e colectivos contra a realização do evento. Apesar disso, a edição de 2018 aconteceu mesmo e embora nenhum confronto tenha acontecido entre activistas e estudantes que apoiavam a garraiada, houve jornalistas impedidos de realizar o seu trabalho junto ao local que serviu de arena.

Este ano a iniciativa não irá ser realizada.

Em edital publicado na última quinta-feira (9 de maio), a AEESAV informa que a edição deste ano foi cancelada “devido ao parecer negativo” que o evento recebeu “por parte da direção” da Escola Superior Agrária que alega “não estarem reunidas as condições de segurança necessárias para a realização” da garraiada.
Pela nossa parte saudamos esta decisão e reiteramos o nosso apelo para que o Instituto Superior Politécnico de Viseu não acolha, doravante, este tipo de iniciativas dentro dos espaços que estão sob sua gestão direta.

Comunicado do Grupo de Trabalho para a Defesa dos Direitos dos Animais do Bloco de Esquerda do Distrito de Viseu e do Viseu Animal Save

Deixe o seu comentário

Skip to content