Helicóptero do INEM deslocalizado de Santa Comba Dão para Viseu

Foto de INEM – Instituto Nacional de Emergência Médica | Facebook
O helicóptero do INEM localizado até à data em Santa Comba Dão, foi transferido para Viseu  no passado dia 22 de outubro. Segundo a ANAC esta decisão deve-se ao facto do heliporto não ter sofrido as necessárias alterações que a Direção da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Santa Comba Dão tem vindo a apontar como essenciais.

Em comunicado de imprensa o Bloco de Esquerda sublinha que a Direção da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Santa Comba Dão tem vindo a comunicar as necessidades do heliporto à Câmara Municipal, porém o Sr. Presidente da Câmara, apesar de alertado várias vezes, “questionado (na última Assembleia Municipal) perante tais rumores referentes à deslocação do helicóptero, afirma que se tratavam disso mesmo, rumores; defendendo tal tese pelo facto de ter já questionado o Ministério das Infraestruturas de Portugal e o Presidente do INEM. O que demonstra uma desorganização e descoordenação entre as diferentes entidades e a autarquia com relevantes consequências para as populações do concelho de Santa Comba Dão e concelhos limítrofes, bem como parte da região Centro servida por tal helicóptero de emergência.”

De acordo com o Bloco “as dificuldades que o heliporto de Santa Comba Dão apresenta são passíveis de serem resolvidas e, por isso, não se justifica a deslocação de tal serviço essencial devido à descoordenação e ineficácia entre as entidades de decisão e o munícipio.”

Os serviços deslocalizados não se ficam apenas pelo helicóptero do INEM, mas também a VMER (veículo médico de emergência rápida) associado ao mesmo serviço, o que leva a Comissão Coordenadora Distrital de Viseu do Bloco de Esquerda a considerar esta decisão prejudicial à população de Santa Comba Dão e a região que serve, mas também ao resto do país.

(Escrito por MFS)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados
Ler Mais

Língua Gestual Portuguesa: “cabe à maioria acomodada, romper barreiras”

A Língua Gestual Portuguesa, uma das três línguas oficiais do território português, esteve em destaque num workshop, na Biblioteca Municipal de Carregal do Sal, com  Ângela Abreu, da Afomos (Associação de Profissionais de Lecionação da Língua Gestual). A iniciativa foi promovida pelo Bloco de Esquerda de Carregal do Sal.
Skip to content