Foto por Autor Anónimo

Quercus denuncia o impacto que o uso de pesticidas e tratamentos agrotóxicos terão no ambiente e saúde pública ao serem lixiviados e arrastados para os rios e aquíferos subterrâneos. Projeto está em consulta pública.
A associação ambientalista Quercus lança críticas ao projeto de instalação de um novo amendoal superintensivo na biorregião de Idanha-a-Nova e nas proximidades do Parque Natural do Tejo Internacional. Segundo a Quercus num comunicado tornado público, este projeto constitui uma ameaça à saúde pública e ao ambiente.

“A Quercus exige que o Governo não autorize a instalação de mais um amendoal [em Idanha-a-Nova] e apela a todos os cidadãos e empresas para participarem e contestarem esta nova área no âmbito do processo de avaliação de impacte ambiental que se encontra em consulta publica”, explicam.

Segundo a agência Lusa, o projeto pretende instalar mais de 300 hectares de amendoal superintensivo na propriedade de Vale Serrano, em Idanha-a-Nova, distrito de Castelo Branco, à qual se pretende somar uma área com mais de 2.000 hectares, iniciativa que tem em consulta pública, até ao dia 20 de abril, a Avaliação de Impacte Ambiental.

A Quercus lembra que este projeto prevê gastar cerca de 100 mil euros por ano em pesticidas e tratamentos agrotóxicos, adiantando ainda que serão aplicados anualmente 600 quilos só em glifosato.

“Os pesticidas e fertilizantes utilizados poderão ser lixiviados e arrastados para estes rios e para os aquíferos subterrâneos, aquífero este que apresenta uma vulnerabilidade padrão média a alta à contaminação e uma vulnerabilidade média a alta aos pesticidas. Estes impactes estão identificados no EIA e poderão ter um impacto muito maior e cumulativo com outras áreas adjacentes. O próprio projeto prevê uma área total no futuro de 2.000 hectares na região”, sustentam.

Além disso, a região de Idanha-a-Nova tem sido um pólo de atração de pessoas e empresas que procuram um modelo de desenvolvimento sustentável baseado nos recursos endógenos desta região raiana que tem um património natural e cultural singular, apostando na agricultura e pecuária biológica, na permacultura, no turismo, na organização de eventos e outras atividades sustentáveis.

“A instalação de grandes áreas com estas monoculturas intensivas vem por em causa este modelo de desenvolvimento mais sustentável e os cidadãos e empresas que procuravam esta região classificada e nela fizeram uma aposta de vida e investimentos nesta região”, sublinham.

“São vários os problemas ambientais que têm vindo a ser relatados devido à instalação destas monoculturas superintensivas e que tem a ver com a contaminação do ar, dos solos e da água, diminuição de biodiversidade e degradação dos solos, entre outros, sobretudo derivados às práticas utilizadas e aos produtos agrotóxicos usados regularmente nos tratamentos”, concluem.

Notícia transcrita de esquerda.net

Deixe o seu comentário

Skip to content