Foto por Universidade FM | Facebook

O Aeródromo Municipal de Vila Real foi encerrado preventivamente esta terça-feira por razões de segurança.

De acordo com o comunicado da ANAC – Autoridade Nacional da Aviação Civil, esta decisão por parte do Município vem na sequência da identificação de “indícios da eventual existência de um problema estrutural no solo de fundação do pavimento da pista” numa inspeção recente levada a cabo pela ANAC.

Na sequência desta inspeção foram requeridos um conjunto de elementos ao operador do aeródromo, o Município de Vila Real, tendo a ANAC recebido “um relatório de ensaios geotécnicos e geofísicos anteriormente realizados, cujas conclusões reforçaram as suspeitas existentes. O mesmo relatório apresentava já uma proposta de intervenção que implicava a realização de obras na pista.”

Em julho de 2018 já teria havido uma intervenção na sequência de um abatimento desta pista, que se revelou agora insuficiente. Segundo declarações do Presidente do Município, Rui Santos, a origem do problema está na passagem de uma linha de água por baixo da pista que provoca erosão e o consequente perigo de abatimento. O autarca afirmou ainda que irão ser feitos estudos complementares mas que tudo aponta para um investimento muito avultado que implicará a abertura de concurso público.

A necessidade de remodelação e manutenção desta estrutura já é conhecida há vários anos, o que levou à reação do Bloco de Esquerda Vila Real.
“Os recentes acontecimentos no Aeródromo Municipal de Vila Real são o exemplo perfeito da degradação da Infraestrutura Pública que hoje corrói o Interior de Portugal.” pode ler-se no comunicado que identifica a “raíz deste problema encontra-se primordialmente na ausência de uma política nacional de investimento público consistente, gerada pela diminuição forçada da despesa pública que políticas de redução agressiva do défice implicam.” O BE lamenta que a degradação do serviço público seja particularmente visível no Interior “não só por razões económicas, demográficas e sociais, mas particularmente, como prova a dinâmica na qual se inclui este triste exemplo, pela ausência de uma administração, tanto governamental como camarária, eficaz e dotada dos referidos recursos materiais, financeiros e humanos.”

O Aeródromo de Vila Real recebe voos diários da carreira aérea que liga Bragança, Viseu Cascais e Portimão, e servia também de centro de meios aéreos de combate a incêndios, estando aqui estacionados dois aviões anfíbios. Segundo informação da Proteção Civil os aviões anfíbios serão reposicionados no Aeródromo de Viseu, mantendo-se a operacionalidade dos helicópteros no Aérodromo de Vila Real.

(Escrito por MFS)

Deixe o seu comentário

Skip to content