Foto por Paula Nunes | Esquerda.net

Numa visita às instalações da Huf portuguesa , a fábrica de sistemas de fechaduras eletrotécnicas e mecânicas para a indústria automóvel, Marisa Matias destacou que aquela fábrica em Tondela é um bom exemplo “daquilo que foi a luta dos trabalhadores e das negociações da comissão de trabalhadores com a empresa”, que “conseguiu ter direitos que não estão ainda inscritos na lei”.

Segundo Marisa, o Bloco está a trabalhar precisamente para que direitos como aqueles que foram ali conquistados possam ser inscritos na lei. No entanto, sublinha outro direito que não é reconhecido em lado nenhum e que tem que ver com a necessidade de reconhecer aos trabalhadores por turnos o estatuto de desgaste rápido, como proposto pelo Bloco, mesmo quando de “Bruxelas as recomendações são exatamente no sentido contrário”.

A candidata europeia notou também que se cruzam ali várias das questões que tem vindo a chamar à atenção durante a campanha, nomeadamente pelo facto de a fábrica se situar no interior do país e, como tal, os serviços públicos serem fundamentais para termos um país mais igual,

“para que as populações se fixem” e “os trabalhadores tenham condições”.

Abordou ainda a questão da mobilidade e criticou a não existência de transportes públicos para se chegar aquela empresa com mais de 400 trabalhadores. “Toda a gente tem de ter carro próprio para poder vir trabalhar para esta empresa”, lamentou.

Artigo publicado em Esquerda.net

Deixe o seu comentário

Skip to content