Pelo menos dois animais são abandonados a cada dia em Portugal

Cão
Cão

No dia internacional do animal abandonado, assinalado ontem, o JN revela que as autoridades já contabilizaram 349 crimes de abandono este ano até julho. Mas teme-se que o número real seja bem maior. As associações queixam-se que há vários casos de pessoas a querem devolver animais adotados durante a pandemia. Por Esquerda.net

Até julho, as autoridades registaram 349 crimes de abandono ambiental este ano. A PSP 152 e a GNR 197, o que corresponde a uma média de dois abandonos de animais de companhia por dia. Os dados são revelados pelo Jornal de Notícias a propósito do Dia Internacional do Animal Abandonado que se assinala neste sábado.

Trata-se de uma descida de casos relativamente a igual período de 2020. No caso da área controlada pela PSP no ano anterior tinham-se registado 176 situações da abandono. A mesma descida também aconteceu, segundo esta força policial, nos casos de maus-tratos: em 2020, nos primeiros sete meses do ano, tinha havido 335 crimes, este ano foram 319.

Laurentina Pedroso, a provedora do Animal, é uma das que reconhece que o número não chega perto da realidade. Ao JN declara que “os dados estão subvalorizados, porque o abandono é maior do que o formalmente identificado e que chega a ser denunciado como crime. É a ponta de um icebergue”.

Este decréscimo não corresponde à experiência sentida pelas associações contactadas por aquele órgão de comunicação social. Por exemplo, Lurdes Lima, presidente da Associação Patudos Felizes, conta que têm recebido “chamadas de pessoas que se querem desfazer dos animais. Como as associações estão cheias, não sabemos o que vai acontecer a esses animais, se os vão abandonar ou não”.

Outro aspeto preocupante é, depois do número de adoções terem subido no início da pandemia, há organizações que têm sido contactadas para vários destes serem devolvidos. No Cantinho do Tareco, na Maia, segundo Ângela Lima: “Estamos a registar um aumento dos animais devolvidos”. As desculpas vão desde as alergias às dificuldades de adaptação do animal. Muitos meses de terem sido adotados.

Publicado por Esquerda.net a 21 de agosto de 2021

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts
Foto da reportagem "As cartas que nunca escrevi" de Sara de Melo Rocha. TSF.
Ler Mais

Reportagem TSF sobre projeto da CooLabora vence Prémio APAV

"As cartas que nunca escrevi. Os silêncios das sobreviventes da violência doméstica", foi distinguida com o Prémio APAV para o Jornalismo 2021. O trabalho visita uma das oficinas de escrita autobiográfica que todas as semanas se realizam na Covilhã.
Ler Mais

Covilhã: Festival Y#18 começa com Cosmophonia de Dada Garbeck

Do dia 13 de abril a 17 de junho de 2022, o Festival Y#18 está presente nas cidades de Covilhã e Castelo Branco, com Dada Garbeck, Costanza Givone, Inês Campos, David Marques, Denis Santacana e Raquel Castro. Com uma programação transdisciplinar que nos indaga e confronta com questões iminentes do mundo de hoje e, em simultâneo, nos propõe outras dimensões de existência possíveis.
Skip to content