Pedro Gameiro, proprietário da Fabrióleo, está a mover um processo de difamação contra o ativista ambiental do Tejo Arlindo Consolado Marques. O movimento proTEJO apoia o ativista “incondicionalmente” e “espera que se faça justiça com a sua absolvição”.

Segundo nota de imprensa do movimento, Arlindo Marques vai responder pela primeira vez em tribunal, em Torres Novas, no próximo dia 6 Maio, pelas 09H45, por “denúncia de Crime Ambiental num processo por Difamação com Publicidade e Calúnia movido pelo empresário Pedro Gameiro proprietário da Fabrióleo.”

O proTEJO apela “a todos os cidadãos de todas as bacias hidrográficas que estejam presentes para dar o seu apoio ao Arlindo Consolado Marques e que respondam afirmativamente ao seu apelo”, que se segue:

Na nota de imprensa, é ainda sublinhado que a Fabrióleo foi multada pela APA – Agência Portuguesa do Ambiente, no final de abril, em 400 mil euros por contraordenações ambientais “muito graves”. A empresa foi acusada de “descargas de águas não tratadas”, “utilização de recursos hídricos sem autorização” e por “incumprimento das obrigações impostas pela licença”, de acordo com o comunicado da APA e notícia da TSF.

Lembrando que “muitos outros cidadãos têm sido processados pela Fabrióleo e têm sido absolvidos, em processos de intimidação sem fundamento”, a proTEJO espera “que se faça novamente justiça!”

 

proTEJO partilha carta aberta ao Ministro do Ambiente “pela despoluição do afluentes do rio Tejo”

Ministério do Ambiente questionado sobre a redução dos caudais do rio Tejo

Deixe o seu comentário

Skip to content