Rutura na Oncologia do Hospital de Viseu preocupa Bloco de Esquerda

Foto por: Hugo Cadavez Licença: https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/ Link original: https://flic.kr/p/7s6NeZ
Foto por Hugo Cadavez
Na passada semana a Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos denunciou a situação de iminente rutura do serviço de Oncologia do Hospital de Viseu. Em causa está a capacidade de resposta na quimioterapia, na consulta médica e na cirurgia, bem como na admissão de novos doentes para serem seguidos neste hospital.
Após a saída de dois dos três clínicos, neste momento existe apenas um médico oncologista no serviço. Esta realidade torna impossível o acompanhamento de todos os casos oncológicos, consultas, tratamentos de quimioterapia e cirurgias. No caso das cirurgias, não só não existe a capacidade por parte do quadro de pessoal do Hospital de Viseu para as realizar, como o facto não se conseguir garantir o acompanhamento na terapêutica subsequente obriga os utentes a serem acompanhados noutros locais como Coimbra ou Vila Real.
O reforço e capacidade de resposta do SNS tem sido uma batalha do Bloco de Esquerda, que no caso do Hospital de Viseu já desde 2017 acompanha a situação e reclama a instalação de um centro de radioterapia neste Centro Hospitalar. Carlos Couto, da Comissão Coordenadora do BE de Viseu afirma que o Centro Hospitalar Tondela-Viseu “precisa desse investimento por dois motivos: primeiro, para conseguir tapar os buracos do desinvestimento dos últimos anos e, depois, em segundo, para poder evoluir e dar melhores condições aos utentes”.
Neste hospital são acompanhados, anualmente, centenas de doentes oncológicos. Só a nível cirúrgico, o hospital opera, por ano, cerca de 350 doentes do foro oncológico-digestivo, 150 doentes de cancro da mama e mais algumas dezenas de casos dos foros ginecológico e urológico. Tendo em conta as necessidades deste centro hospitalar, Carlos Couto afirma que “não é só este problema que esperamos que seja pontual, é também depois o investimento que é necessário para que o serviço possa melhorar e para que os doentes possam ser atendidos em Viseu, mesmo sem este problema de falta de médicos”.
Assim, o Grupo Parlamentar do BE, através do deputado Moisés Ferreira, questionou o Ministério da Saúde, sobre que medidas serão tomadas, de imediato, para a contratação de profissionais para o Centro Hospitalar de Tondela-Viseu, nomeadamente médicos oncologistas, de forma a que este centro não perca capacidade de resposta, bem como quando e quantos estão previstos. Ficando a aguardar a resposta por parte do Governo, Carlos Couto conclui dizendo “que toda esta pressão não seja para remediar a situação, mas que seja para haver um investimento, para que não volte a acontecer e para que o serviço possa ter mais valências através do investimento necessário na saúde”.

(Escrito por MFS)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados
25 Abril Bloco de Esquerda de Viseu
Ler Mais

Saudação ao 25 de Abril

Saudação ao 25 de Abril da Comissão Coordenadora Concelhia de Viseu do Bloco de Esquerda É tempo de…
Skip to content