Sete anos do grupo A Voz do Rock celebrados no Carmo 81

No próximo dia 17 de janeiro, cinco duplas de avós dos A Voz do Rock sobem ao palco do Carmo’81, para assinalar os sete anos do grupo em pequenos concertos de 20 minutos.

O Carmo 81 é “um palco que conhece bem e tem acompanhado de perto a vida dos avós octogenários mais rockeiros de sempre”, pode ler-se na página Facebook. A celebração inspira-se no número sete e na sua simbologia “de conclusão cíclica e renovação”.

Abílio Rodrigues e Nazaré Cardoso são os primeiros avós a atuar, seguindo-se Manuel Fonseca e Alcinda Mendes, Miguel Caetano e Amélia Fareleira, Eduarda Ferreira e Lisete Castro e, em último, Judite Salada e António Ferreira.

O grupo de “avós de alguém, pais, bisavós talvez”, projeto com direção artística e musical de Ana Bento, “aceitou sem hesitar o desafio lançado a maiores de sessenta anos de cantar algo que lhes poderá ser menos familiar, mas ainda assim “tradicionalmente” português. Partimos de uma lista importante de temas indie e rock feitos em Portugal nas últimas décadas. O rock também é nosso, o amor e a vida são temas comuns a todas as gerações e permitem entrecruzar temporalidades. Inspirado no projeto americano Young@Heart, A Voz do Rock é uma performance musical encenada que, acima de tudo, celebra o prazer da partilha musical”.

O projeto estreou-se em 2014, no âmbito do festival ‘Viseu A’ promovido pelo Teatro Viriato, e desde então nunca mais parou. Desde apresentações em lares de idosos, escolas, programas de televisão, por exemplo, sem esquecer a apresentação na Casa da Música do Porto e o concerto com o baterista Kalú, em tributo aos Xutos e Pontapés. Mesmo com a pandemia, encontraram forma de se adaptar e continuar os ensaios regularmente, chegando mesmo a fazer concertos na rua, de porta em porta.

Os concertos do sétimo aniversário terão lotação muito limitada, realizando-se sob as normas e orientações da DGS. Como tal, a reserva é obrigatória e deve ser efectuada no site da Gira Sol Azul.

 

 

Apoios da DGArtes: agentes culturais de Viseu, Guarda, Penela, Coimbra e Leiria criticam assimetrias

Protesto denuncia que espaços independentes de música ao vivo podem estar prestes a desaparecer

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados
Skip to content