Voluntários da Associação “Just a Change” reconstroem casas em Vila Pouca de Aguiar

Foto por Just a Change | Facebook
Uma equipa de 35 voluntários, cinco coordenadores, dois responsáveis pela logística, três diretores de campo e três mestres de obra estão em Vila Pouca de Aguiar, distrito de Vila Real, para ajudar a recuperar cinco casas de famílias carenciadas.


Foto por Just a Change | Facebook
Sob o lema “Reabilitamos casas, reconstruímos vidas!” a associação Just for a Change desenvolve vários programas de intervenção que permitem uma atuação em diversos contextos em paralelo, potenciando assim o impacto social e a coesão social nas comunidades locais. A presença no município de Vila Pouca de Aguiar está integrada nas ações desenvolvidas durante o verão nos Campos Just a Change que acontecem em vários pontos do país, com duração de 13 dias.

Um dos mestres de obra, Samuel Luwawa de 37 anos, disse ao Notícias ao Minuto que “é um desafio muito, muito grande mas é gratificante. Estar a trabalhar com jovens que em vez de estarem na praia estão aqui a ajudar as pessoas carenciadas, é de louvar e dá vontade de estar a trabalhar com eles, é gratificante”.


Foto por Just a Change | Facebook
Samuel Luwawa frisou ao mesmo órgão de comunicação que “esta associação não é uma empresa de construção civil, o foco está virado para combater as situações de pobreza extrema e aqui vê-se o esforço destes jovens para lutarem contra isso. Eles próprios ganham muita responsabilidade com esta experiência”.

Os proprietários das habitações intervencionadas recebem os voluntários de braços abertos. Álvaro Gonçalves, de 59 anos, citado no mesmo artigo, descreve a intervenção na sua casa, onde vive com a mulher e dois filhos, como um sonho concretizado, depois de anos à espera de uma ajuda desta natureza.


Foto por Just a Change | Facebook
As intervenções da Just a Change começam por mobilizar agentes locais para sinalizar casos de pobreza habitacional e aplicar os critérios de seleção para intervenção da Just a Change. Em Vila Pouca de Aguiar a iniciativa resultou de um protocolo de cooperação entre a Câmara Municipal e a Fundação Manuel António da Mota.

(Escrito por MFS)

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts
Ler Mais

Auto-estrada VI

VI Quando o palheiro ficou sobre a ameaça de expropriação, segundo informações da agente imobiliária, a minha mãe…
Skip to content