ZERO critica nova legislação sobre explorações mineiras

Mina
Mina
Foto por Osmar Valdebenito | Flickr
Segundo a associação ambientalista ZERO, a nova legislação permite explorações mineiras mesmo com pareceres ambientais negativos. Os ambientalistas acusam o governo de “controlo político sobre os municípios” porque as concessionárias serão obrigadas a financiar projetos das autarquias afetadas. Por Esquerda.net

Esta nova legislação pretende assegurar a proteção das áreas classificadas que integram a Rede Natura 2000 mas a ZERO considera que isto não chega. “Esta é uma situação que não garante qualquer salvaguarda”, declararam os responsáveis pela associação.

Assim, quando se der início a um processo de pedido de pesquisa e prospeção em áreas classificas, a última palavra será da Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG) que pode autorizar, mesmo que existam pareceres ambientais negativos, de acordo com nova legislação.

Para a ZERO, o governo quer controlar a decisão dos municípios porque o novo decreto refere que as empresas concessionárias que queiram explorar devem contribuir para o Fundo Ambiental que vai financiar projetos nas autarquias abrangidas.

Os ambientalistas acham é que necessária “uma proposta de legislação mais ambiciosa”, mais participativa e de “envolvimento claro e ativo das entidades com competências na área do ambiente e conservação da natureza em todos os processos”. Dão o exemplo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas que “deve ser previamente consultado” para ser atribuir a concessão. Também consideram que a APA e as CCDR devem “ser envolvidas em todos os processos de atribuição dos direitos de concessão”.

A Zero quer ainda que “outros atores da sociedade” sejam envolvidos, sem esquecer “as populações e os conflitos existentes”.

 

Publicado em Esquerda.net a 04 de agosto de 2020.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts
Ler Mais

Águas do Planalto: O porquê da concessão e o grupo Aquapor

O grande poder económico, aliado às debilidades financeiras e à inoperância das autarquias, mas sobretudo à falta de uma visão estratégica que preserve um bem comum, como a água, por parte de alguns autarcas levou-nos a este ponto. 
Skip to content