Foto por Raquel Teixeira | Interior do Avesso | Aeródromo de Vila Real

Encerramento do aeródromo de Vila Real já dura há cinco meses e já provocou uma redução de 6,5% no percurso aéreo entre o Algarve e Trás-os-Montes.


O encerramento do aeródromo de Vila Real em Julho por questões de segurança devido ao perigo decorrente do mau estado da pista, que continua fechada e sem data para reabrir continua a causar prejuízos na linha área entre Trás-os-Montes e Algarve, causando uma redução de cerca de 6,5% na taxa de ocupação.

O aeródromo de Vila Real era o terceiro com maior número de passageiros entre partidas e chegadas. Só entre Janeiro e Julho (mês de encerramento) deste ano movimentou 1043 passageiros.

Desde que a pista foi encerrada que os utentes desta linha área têm sido obrigados a encontrar uma alternativa para viajar. Relembramos que a linha aérea em questão percorria Bragança-Vila Real-Viseu-Cascais e Portimão.

 

"Temos uma forte expectativa que, assim que for aprovado o Orçamento de Estado para 2020, seja possível alocar verbas para esta reparação", diz Presidente da Câmara de Vila Real

Relembramos que em Julho deste ano, o Interior do Avesso já tinha anunciado o encerramento preventivo da pista do aeródromo de Vila Real por razões de segurança. Porque de acordo com a ANAC – Autoridade Nacional de Aviação Civil, a pista mostrava indícios de uma eventual existência de um problema estrutural no solo da fundação do pavimento da pista.

Este aeródromo é extremamente importante porque recebia voos diários da carreira aérea que liga Bragança, Viseu, Cascais e Portimão, mas servia também de centro de meios aéreos de combate aos incêndios, estando estacionados dois aviões anfíbios que acabaram por ser instalados no aeródromo de Viseu.

 

Escrito por DG.

Deixe o seu comentário

Skip to content