Foto por Reis Quarteu, CC BY-SA 4.0 <https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0>, via Wikimedia Commons

O pagamento dos impostos relativos à venda de seis barragens transmontanas pela EDP ao consórcio francês liderado pela Engie foi ontem, dia 8, mais uma vez levado à Assembleia da República. Ainda não é conhecido o resultado da inspeção da AT ao negócio das barragens.

No debate parlamentar de ontem, Catarina Martins, do Bloco de Esquerda, anunciou que vai chamar a Diretora Geral da Autoridade Tributária à Assembleia da República, uma vez que ainda não se conhece o resultado da inspeção realizada pela Autoridade Tributária à venda.

“Acho estranho que não saiba nada sobre aqueles 110 milhões que a EDP já devia ter pago em Janeiro de Imposto de Selo. O Bloco de Esquerda vai chamar a Diretora-Geral da Autoridade Tributária e o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais aqui ao parlamento, porque não é normal que meses depois não haja nenhuma decisão sobre esta matéria, quando é óbvio que, se toda a gente paga os seus impostos a EDP tem de os pagar”, defendeu.

O negócio das barragens, entre a EDP e o consórcio da Engie, por 2,2 mil milhões de euros, aconteceu já há 10 meses, no final de Dezembro de 2020. O pagamento de impostos, nomeadamente o de selo, tem sido reclamado pelo Movimento Cultural da Terra de Miranda.

 

Barragens no Douro: buscas na EDP e nos ministérios do Ambiente e das Finanças

Barragens: Bloco apresenta conclusões sobre documentos confidenciais

Deixe o seu comentário

Skip to content